Autor: Cicero Pedro Leão

Sobre

Cicero Pedro Leão

Jornalista apaixonado por cinema, literatura, música e quadrinhos. Pesquiso a obra de Jean Renoir na UFMG. Descobri minhas paixões ouvindo os Rolling Stones, lendo Roberto Piva e assistindo a Anecy Rocha em "A Lira do Delírio".

O Bar

Assistir um filme de Álex de la Iglesia é uma experiência interessante, impactante e característica. No início, personagens verborrágicos são inseridos em situações inusitadas, em um tom quase fantasioso, mas sem quebrar a verossimilhança, provocando o riso no espectador. Contudo, gradativamente a narrativa vai se transformando, dando mais espaço ao horror com uma violência gráfica excessiva. Para os fás dessa cinematografia, O Bar se insere nela com folga, sendo um ótimo exemplo de obra autoral realizada no âmbito do cinema industrial. Na trama, oito pessoas com personalidades fortes e distintas ficam aprisionadas dentro de um bar em Madrid, após...

Ler Mais

1922

Em 2017, o nome de Stephen King ganhou destaque nos cinemas mais uma vez. Depois da frustração de A Torre Negra, o remake It: A Coisa marcou a história do cinema de horror alcançando a maior bilheteria do gênero. A Netflix entrou no mundo de King em setembro com Jogos Perigosos e agora lança mais uma adaptação, 1922, baseada em um conto do autor e dirigida por Zak Hilditch. Com uma história simples e direta – um fazendeiro confessa o assassinato da esposa – a obra tem o trunfo de assustar o espectador muito mais por acontecimentos ligados à...

Ler Mais

Poesia sem fim

Por Cícero Pedro Leão Em 2016, os cinemas brasileiros exibiram alguns filmes com temáticas sobre literatura, mais especificamente a poesia: Além das palavras, de Terence Davies, sobre a escritora Emily Dickinson, e Paterson, de Jim Jarmusch, sobre um motorista de ônibus que lê e escreve poemas. Agora em junho recebemos Poesia sem fim, do diretor chileno Alejandro Jodorowsky, que segue uma abordagem diferente dos citados filmes poéticos. Se Jarmusch busca atingir a poesia focando no dia a dia de seus personagens, Jodorowsky busca poesia ao ressignificar esse cotidiano, o transformando em uma afetuosa e nostálgica alucinação, já que a...

Ler Mais

Em O Filme da minha vida, Selton Mello busca novamente ser popular e autoral

Por Cícero Pedro Leão “Um biscoito fino para o grande público”. É assim que o ator e cineasta Selton Mello define O Filme da minha vida, seu terceiro longa-metragem como diretor, que estreia nos cinemas no dia 3 de agosto. O comentário irreverente ilustra um dos objetivos buscados pelo cinema de Selton: apresentar uma obra que é, ao mesmo tempo, popular e refinada cinematograficamente. Em O Palhaço (2011), seu filme anterior, a busca por esse meio termo já era clara e foi bem-sucedida, pois o trabalho agradou público e crítica. No terceiro longa, Selton continua preocupado com o espectador, já que a...

Ler Mais

Divinas Divas

Cicero Pedro Leão Estreia na direção de Leandra Leal, Divinas Divas é um filme que se joga de braços abertos na nostalgia de oito artistas travestis pioneiras no Brasil. No entanto, o documentário vai além e se destaca por demonstrar como a energia daquelas performers, em efervescência a partir dos anos 1960, permaneceu intensa posteriormente. Tão importante quanto o resgate histórico dessas divas, é o retorno aos palcos que elas realizam, apresentando também, de forma pontual, várias trajetórias marcadas por felicidades e tristezas. O espectador acompanha tudo isto como se estivesse nos bastidores de um grande espetáculo, por meio de...

Ler Mais
  • 1
  • 2