Author: eduardo-ferrarini

Sobre

Eduardo Ferrarini

Formado em Cinema e um amante dessa arte. Aspirante a cineasta. Apreciador de música, livros, séries, pinturas, video-games, quadrinhos, da vida e das pessoas que a cercam.

A Favorita

Cineastas que provocam reações polarizadas dificilmente são ignorados. Ame-o ou odeie-o, ele acabará entrando em algum momento em discussão. Nesse panteão de diretores provocativos, o grego Yorgos Lanthimos com sua narrativa desconcertante e bizarra ingressa de maneira absoluta. O fascínio é ver Lanthimos, que geralmente investe em premissas pouco usuais e absurdas (O Lagosta e O Sacrifício do Cervo Sagrado), agora concebendo seu olhar bastante peculiar a uma história mais convencional. Mesmo sendo mais tradicional do que de costume, A Favorita ainda se trata de um filme de Yorgos Lanthimos. Se passando no início do século XVIII na Inglaterra,...

Ler Mais

Poderia Me Perdoar?

O costume de biografias ganharem as telas do cinema é dado quando a história ou as figuras centrais são extraordinárias demais para a vida real. Assim, é difícil imaginar encontrar alguém como Lee Israel – que logo é apresentada no filme como uma mulher absolutamente entediada no trabalho, que recorre constantemente ao álcool e trata com agressões verbais aqueles que a perturbam – dentre aqueles selecionados para ter sua vida narrada na telona. Baseado no livro autobiográfico de Israel, Can You Ever Forgive Me?, o filme conta como as dificuldades financeiras e vícios da escritora de biografias (McCarthy) fez...

Ler Mais

O Retorno de Mary Poppins

A adversidade de realizar sequências são de estarem à altura dos originais, não se resumindo a mera imitação do primeiro ou de surgirem sem propósito além de faturar nas bilheterias. A dificuldade se torna colossal quando um filme se encarrega de ser sequência de um clássico como Mary Poppins de 1964, dirigido por Robert Stevenson. Dessa vez comandada por Rob Marshall (que dirigiu alguns musicais como Chicago, Caminhos da Floresta e Nine), a história acompanha os agora adultos Michael e Jane Banks (Whishaw e Mortimer) nos tempos da Grande Depressão em Londres, com sérios riscos de perderem sua casa....

Ler Mais

Roma

O cineasta mexicano Alfonso Cuarón não apenas sempre nutriu um senso ambicioso ao conceber suas narrativas (como em Gravidade e Filhos da Esperança), como também estampa de maneira clara uma sensibilidade bastante característica e autoral (comprovada até mesmo em filmes de franquia, como o seu Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban). Com certeza se trata de um diretor bastante especial e que aqui em seu novo trabalho, Roma, alia uma história muito mais pessoal e realista do que seus trabalhos anteriores a seu olhar bastante delicado que consegue criar um microcosmos que não empalidecem diante de seus outros trabalhos. Se anteriormente Cuarón estabeleceu toda uma narrativa do...

Ler Mais

Rasga Coração

Baseado numa peça teatral de autoria de Oduvaldo Vianna Filho, o novo filme de Jorge Furtado é mais um exemplo de sua preocupação com os rumos políticos tomados pelo Brasil e que, para alguém do viés político dele, assusta. Depois de ter explorado as funções e a importância do jornalismo no doc O Mercado de Notícias (que em parte também é baseado numa peça de teatro), agora Furtado volta a ficção numa história narrativamente mais convencional. O filme conta a história de Manguari Pistolão (Ricca), um militante de esquerda e que foi opositor da ditadura militar na sua juventude. Agora casado e com uma vida mais ordinária, seu...

Ler Mais