Author: eduardo-ferrarini

Sobre

Eduardo Ferrarini

Amante e estudante de Cinema. Aspirante a cineasta. Apreciador de música, livros, séries, pinturas, video-games, quadrinhos, da vida e das pessoas que a cercam.

Assunto de Família

Em boa parte de sua filmografia, Hirozaku Koreeda se fascina em abordar temas familiares ou de paternidade em seus filmes (como os ótimos Pais e Filhos e Depois da Tempestade). Até mesmo em seu O Terceiro Assassinato, filme de julgamento, trata da questão. Porém, Koreeda atinge uma plenitude belíssima com seu mais recente filme, Assunto de Família. Já introduzindo a narrativa com um furto feito em um supermercado por um pai e filho pequeno, uma família japonesa desprovida de dinheiro e outros bens um dia encontra a pequena Yuri sozinha. Ao alimenta-la e decididos a devolve-la, o casal testemunha...

Ler Mais

Trem das Vidas ou A Viagem de Angélique

Há um proposital espaço limitador em Trem das Vidas ou A Viagem de Angélique que parece atritar com as possibilidades fílmicas. Algo que poderia ser absolutamente enfadonho e tedioso, o veterano Paul Vecchiali contorna de maneira muito intriguista ao empregar essa limitação para evidenciar a personalidade e vida da protagonista Angélique (Astrid Adverbe). Angélique é uma dançarina que em suas viagens de trem tromba com as mais diversas pessoas e que, aqui, acompanhamos a graduação de um relacionamento do seu primórdio até o fim dele e seus frutos. A obra é quase integralmente composta de planos conjuntos que trazem dois...

Ler Mais

A Caótica Vida de Nada Kadic

Levando à máxima a questão do “Cinema não é sobre o que é e sim como ele é sobre o que é”, a premissa simplória de A Caótica Vida de Nada Kadic não parece tratar de nada muito novo, mas é um retrato muito doce da relação de uma mãe com sua filha. Nada é uma mãe solteira que trabalha e tem uma filha, a agitada Hava. Tentando conciliar seu trabalho com os cuidados especiais que deve a Hava, já que médicos a diagnosticaram com transtorno do espectro autista. Ao se ver sem dinheiro para continuar cuidando de Hava,...

Ler Mais

O Banquete

A todo momento de O Banquete, filme mais recente de Daniela Thomas, me pegava criando um paralelo com o franco-canadense É Apenas o Fim do Mundo, de Xavier Dolan. Ambos partem de uma dinâmica desgastante centrada em alguma refeição e todos os personagens, apresentando características repulsivas, criam mais atritos, tornando a experiência ali (e do espectador de ver aquilo) insuportável. Contudo, enquanto no filme de Dolan temos um protagonista que nos ancora e traumas e tramas exploradas mais profundamente, aqui neste O Banquete nada mais é do que um bando de abastados bêbados se provocando, às vezes de forma...

Ler Mais