Autor: Felippe Gofferman

Sobre

Felippe Gofferman

Aspirante a Diretor, roteirista e eterno estudante de cinema, é amante da sala escura e tem o Maracanã como uma segunda casa. Tiete de Woody Allen, Kurosawa, Scorsese e Chan-Wook Park, mantém uma eterna dívida com Walter Salles por ter sido apresentado à música de Jorge Drexler através de “Diários de Motocicleta” (2004).

Park Nam Ok, Esther Eng e as pioneiras do cinema asiático

Por Felippe Gofferman No dia 8 de Abril perdemos Park Nam Ok que é considerada a primeira diretora do cinema sul-coreano. Tendo apenas um filme como diretora no currículo, ela foi pioneira em um país que ainda hoje tem grande carga patriarcal sobre sua sociedade e uma indústria cinematográfica bem fechada. Embora o protagonismo de personagens femininas na Coreia do Sul seja bem acima da média das industrias de outros países, quando nos voltamos para os papeis de liderança criativa o cenário muda. O número de diretoras é muito baixo graças às dificuldades que elas enfrentam ao tentar desbravar...

Ler Mais

Lee Chang-dong: política, poesia e dor

Por Felippe Gofferman Poucos diretores podem dizer que marcaram o cinema de seu país tanto na esfera artística quanto na política. Lee Chang-Dong não é apenas uma referência do cinema de autor da Coréia do Sul, o diretor e roteirista teve papel fundamental na consolidação da indústria cinematográfica do país como uma potência mundial. Nascido em Daegu, uma importante cidade industrial da Coréia do Sul, Lee se formou em literatura na Kyungpook National University, um ponto de encontro entre a ciência e a arte. A influência da universidade e seu interesse pela cultura da escrita coreana, logo o levaram a...

Ler Mais

Guerra e Humanidade

Por Felipe Gofferman O fim da segunda guerra mundial trouxe à tona cicatrizes profundas no Japão e expôs as atrocidades a que o ser humano é capaz de se sujeitar para atingir seus objetivos. O povo japonês, após ouvir a lendária transmissão de rádio na qual o Imperador Hirohito anunciou o cessar fogo, foi lançado em um período de reflexão fundamental para construção de um novo país. A ocupação do Japão pelas forças do Estados Unidos sufocou a indústria cinematográfica do país em relação as análises mais duras sobre o período. Os sete anos que sucederam o fim da Segunda...

Ler Mais

Guerra

Por Felippe Gofferman As representações das guerras históricas no cinema são oportunidades para um riquíssimo estudo do espírito e da memória dos países. Os variados polos cinematográficos possuem suas características próprias oriundas de seu passado independentemente do gênero que abordam, mas quando falamos de filmes de guerra a história se mescla à personalidade e as peculiaridades tomam força, criando filmes únicos em visão e narrativa que representam o pensamento de um povo.  O cinema norte-americano, por exemplo, permite uma divisão em seus filmes de guerra entre as obras realísticas, que abusam da autocrítica e questionam o falso papel de...

Ler Mais