Author: felippe-gofferman

Sobre

Felippe Gofferman

Aspirante a Diretor, roteirista e eterno estudante de cinema, é amante da sala escura e tem o Maracanã como uma segunda casa. Tiete de Woody Allen, Kurosawa, Scorsese e Chan-Wook Park, mantém uma eterna dívida com Walter Salles por ter sido apresentado à música de Jorge Drexler através de “Diários de Motocicleta” (2004).

Guerra

Por Felippe Gofferman As representações das guerras históricas no cinema são oportunidades para um riquíssimo estudo do espírito e da memória dos países. Os variados polos cinematográficos possuem suas características próprias oriundas de seu passado independentemente do gênero que abordam, mas quando falamos de filmes de guerra a história se mescla à personalidade e as peculiaridades tomam força, criando filmes únicos em visão e narrativa que representam o pensamento de um povo.  O cinema norte-americano, por exemplo, permite uma divisão em seus filmes de guerra entre as obras realísticas, que abusam da autocrítica e questionam o falso papel de...

Ler Mais

Cinema Queer – Parte I

Por Felipe Gofferman O cinema, desde suas primeiras décadas, tem papel como formador de opinião e é responsável por moldar gerações e ditar comportamentos. O potencial de ditar costumes sempre foi usado para fins comerciais e como ferramenta de controle, mas com os anos alguns movimentos se aproveitaram dessa máquina para reivindicar espaço e ter sua voz amplificada na telona. As décadas de 20, 30, 40 e 50 abrigaram os chamados “race films”, um movimento cinematográfico que produziu centenas de filmes feitos por e para a comunidade negra dos Estados Unidos. A existência desses filmes foi ignorada na época...

Ler Mais

Takeshi Kitano x Beat Takeshi: Do stand-up à sociopatia

Por Felippe Gofferman Takeshi Kitano, um dos grandes cineastas japoneses ainda em atividade, tem uma história no mínimo interessante. Nascido logo após o fim da 2ª Guerra, Kitano abandonou a faculdade de engenharia para anos mais tarde se mudar para o distrito de Asakusa em busca de se tornar um comediante. Sob a tutela de Fukami Senzaburo, um importante comediante que atuava nos teatros de Asakusa, Takeshi se formou no gênero e encontrou seu caminho para o sucesso. Os trabalhos nos palcos levaram a outro comediante buscar no ator um par para futuros trabalhos. Kiyoshi Kaneko se juntou a Kitano...

Ler Mais

A Banda

Por Felippe Gofferman No dia 19 de abril o cinema israelense perdeu um de seus rostos mais significativos da atualidade. Ronit Elkabetz, 51, começou a carreira de forma tardia, atuando em seu primeiro longa aos 26 anos, mas logo se tornando peça de destaque no cinema de seu país. A atriz, roteirista e diretora, se destacou por sua presença em cena e por interpretar mulheres fortes, mesmo sobre temas referentes ao machismo da sociedade em que vive. Recentemente lançou seu último filme, o belíssimo O julgamento de Viviane Amsalem (2014), que dirigiu e roteirizou com seu irmão, além de protagonizá-lo de forma...

Ler Mais

O melhor do Cinema Samurai

Por Felippe Gofferman O cinema japonês, se apropriando do teatro e da cultura popular em geral, aborda a temática samurai desde os seus primórdios. Os jidaigeki, como são chamados os dramas de época, sempre foram as meninas dos olhos da indústria cinematográfica japonesa e ainda hoje ocupam boa parte de suas produções. O subgênero chanbara, referente a parte dessas produções relacionada aos samurais, é o mais popular fruto dos jidaigeki. Com inúmeras abordagens e fases que vão do realismo a fantasia, o cinema do Japão se fortaleceu explorando essa figura icônica. Os samurais eram guerreiros ligados a aristocracia japonesa....

Ler Mais