Autor: Felippe Gofferman

Sobre

Felippe Gofferman

Aspirante a Diretor, roteirista e eterno estudante de cinema, é amante da sala escura e tem o Maracanã como uma segunda casa. Tiete de Woody Allen, Kurosawa, Scorsese e Chan-Wook Park, mantém uma eterna dívida com Walter Salles por ter sido apresentado à música de Jorge Drexler através de “Diários de Motocicleta” (2004).

A Marca do Assassino

Por Felippe Gofferman O cinema japonês tem como características clássicas o pensamento cartesiano e uma tendência à observação passiva da sociedade que retrata, mas como todo cenário cinematográfico teve seus representantes que quebraram a corrente do lugar comum e impuseram uma visão pessoal que fugia dos termos aceito pelas grandes produtoras. Em meio ao sistema industrial das grandes realizadoras japonesas da década de 1950, surgiu aquele que está entre os diretores mais influentes do país e que até hoje é considerado uma referência da contracultura e do movimento cinematográfico underground: Seijun Suzuki. O diretor de clássicos como Tóquio Violenta (1966)...

Ler Mais

Wuxia

Por Felippe Gofferman   曰水火 木金土 此五行 本乎數 曰仁義 禮智信 此五常 不容紊 “San Tzu Ching – Seção IX”por Wang Yinglin “Falando acerca de Água, Fogo, Madeira, e Terra;” Para explicar a origem do cinema de ação da China, precisamos primeiro analisar a questão etimológica. “Wu” significa “marcial” ou “armado”, enquanto “xia” se refere a “herói” ou “guerreiro”, a união dos termos resultou em um dos gêneros mais cultuados do cinema chinês. O gênero denominado “Wuxia” é muito semelhante ao tradicional capa e espada da literatura europeia, mas todo baseado em uma filosofia referente a um código de honra e...

Ler Mais

Yasujiro Ozu: memórias de um travesseiro

Por Felippe Gofferman Imagine um lugar onde homens se amontoam como formigas em busca de uma riqueza que pode nunca chegar. Homens que dia e noite suam e sangram com picaretas e pás em busca de uma pedra que possa mudar sua vida para sempre. Uma pequena pepita que possa lhes dar o conforto que nunca tiveram. Imagine que esses homens, que vivem em uma situação de vida deplorável, tenham que lidar diariamente com uma força militar opressora. Jovens, velhos, garimpeiros, carregadores, capatazes, comerciantes e policias. Todos se esbarrando em um gigante buraco enlameado e tendo que lidar com...

Ler Mais

Política de cotas de tela: Brasil x Coreia

Por Felippe Gofferman O cinema brasileiro é frequentemente criticado por seu sistema viciado que pouco espaço dá para uma abordagem mais autoral, mas o maior problema não está na produção desse tipo de conteúdo e, sim, na distribuição dos nossos filmes de menor orçamento. A rede de distribuição nacional não supre a demanda de conteúdo de qualidade, ainda que ele exista, se limitando a explorar as produções com o selo Globo Filmes. Os filmes independentes acabam relegados a pequenos cinemas de nicho. Mas o que o cinema asiático tem a ver com isso? Bom, hoje mergulharemos em uma área...

Ler Mais