Author: guilherme

Sobre

Guilherme Franco

Uma mistura de Wes Anderson, Lars Von Trier, Coutinho e Godard. Videomaker, futuro jornalista e diretor, ama filosofar e repensar como produtos artísticos seriam de outra forma. Vegetariano e corredor, a cada dia tenta se acostumar mais com essa sociedade que vive de utopias.

Solar Walk

Solar Walk conta de forma poética e cativante uma história sobre sentimentos e faz uma reflexão acerca do ego incansável do ser humano. O curta, exibido no Festival de Berlim e no americano SXSW, nos leva a um espaço com diferentes criaturas e seres que pacificamente nos fazem refletir sobre temas como o imperialismo e artes plásticas. Realizado a partir do método surrealista de 1920 da escrita automática*, os gigantes seres vão se redescobrindo a partir da narrativa e outros vão aparecendo, e aqui, os humanos são pequenas criaturinhas comandadas por esses seres maiores com características de animais. No...

Ler Mais

Estamos no INDIELISBOA!

Olá pessoal, tudo bom? Se antes já desbravávamos o cinema de outros países na CineMundi, agora o Cinemascope chegou literalmente ao outro lado do Continente. Teremos a cobertura de alguns Festivais que acontecem em Portugal! E já começamos com um muito interessante, o IndieLisboa, o melhor do Cinema Independente nas salas de Portugal. O festival é dirigido por três diretores, e é justamente isso que a programação busca: uma visão plural e trazer o melhor do cinema independente mundial que não chega as grandes telas de Portugal, como disse o diretor Carlos Ramos em entrevista ao Cinemascope. Criado em...

Ler Mais

El Cielo de los Animales

El Cielo de los Animales usa o método observativo, usado em grandes filmes documentais como O Triunfo da Vontade, de Leni Riefenstahl (1935), Primárias, de Robert Drew (1960) e High School, de Frederick Wiseman (1968), onde o (s) realizador (es) “não intervém” na filmagem e buscam o mínimo de contato com os personagens, como se fossem uma “mosca na parede”. Juan Renau nos mostra a escravidão invisível que são os desfiles de beleza de cachorros. Por meio de planos bem fechados, ele faz o retrato de cães como inocentes princesas de contos de fadas, extasiadas e sem liberdade de...

Ler Mais

Ícaro

Após assistir a Ícaro, uma das coisas que mais me chamou a atenção foi durante os créditos. O filme tem dezenas de produtores, e procurando o perfil de cada um no IMDb, todos eles têm produções originais da Netflix no currículo. E por que essa quantidade absurda de produtores? Ícaro é uma obra com uma complexidade enorme de produção, parte mostrada na tela por meio dos obstáculos do diretor. Com apenas um longa dirigido, meio que desconhecido (se chama “Jewtopia”, uma comédia romântica de 2012), Bryan Fogel busca construir no início do longa uma jornada do herói. Ele irá...

Ler Mais

Arábia

Por Guilherme Franco Arábia é lindo. O filme de Affonso Uchoa (A Vizinhança do Tigre) e João Dumans (co-roteirista de A Cidade onde Envelheço) traz a subjetividade de um homem, pobre, perdido e sozinho. A primeira cena é de um garoto andando de bicicleta numa estrada do lado de um penhasco. A aflição misturada a poeticidade da cena geram um sentimento peculiar, único e que representa boa parte do filme, com sua sinceridade e simplicidade. O protagonista em nenhum momento tenta se colocar como superior ou mostrar algo a mais do que é, transparente e comum. A história do...

Ler Mais