Author: rafael

Sobre

Rafael Ferreira

Nascido no interior de Goiás, criado assistindo desenhos animados e filmes de terror. Formado em Publicidade e Propaganda, divide sua paixão por cinema com a música, e a arte da animação.

Terror Em Silent Hill

Não sou um jogador assíduo, porém, em minha juventude era viciado em games. Na época do SNES não passava de apenas um passatempo, mas depois fui descobrindo outras plataformas, e com os jogos de computador percebi que os games podem ser mais do que simples diversão – assim como o cinema também não deve ser visto apenas dessa forma – alguns oferecem uma experiência tão poderosa quanto outras mídias como o cinema ou a literatura, na qual nos identificamos com o protagonista, sentimos o que ele sente, e mais do que isso, nós o vivenciamos e tomamos as decisões...

Ler Mais

A Noiva de Chucky

Procure na sua memória aquele filme que você adorava quando criança, provavelmente você olhará com nostalgia, mas ao revê-lo chegará à conclusão de que não é tão bom quanto a sua memória afetiva recorda. A este efeito dá-se o nome de “Regra dos 15 anos”, que prega que antes dos quinze anos não temos muitos critérios de avaliação, assim fica fácil entender como certas atrocidades produzidas pela indústria do cinema, televisão e música fazem sucesso. Por isso, recomenda-se não revisitar obras com as quais você teve contato antes desta idade. Claro que essa regra não tem muita valia para...

Ler Mais

Equilibrium

Um dos livros que me marcou logo que me tornei adulto foi O Patinho Feio 1984, de George Orwell, uma história que se passa num futuro distópico em que um regime totalitário manipula a informação, criando desinformação na população e tornando-os maleáveis, ou melhor, controláveis. Um conceito super inteligente que serviu de inspiração para diversas histórias como V de Vingança (Alan Moore, 1982), músicas como We Are the Dead do David Bowie, Ancient Verses e Since The Machine da minha queridíssima Melissa Ferlaak da Aesma Daeva, um reality show que ano após ano no Brasil premia mediocridade e baixaria,...

Ler Mais

Faroeste: Um Autêntico Western

O Anima Mundi  de 2018 homenageou o artista Wesley Rodrigues, animador talentosíssimo com quem tive o prazer de trabalhar (numa animação que infelizmente não foi finalizada). Conheci o Wesley pessoalmente em 2012 quando ele se mudou para Goiânia, após ter trabalhado no longa-metragem Até Que A Sbórnia Nos Separe (2013), da Otto Desenhos Animados – que por sinal completou 40 anos na ativa em setembro deste ano. Porém, antes de conhecê-lo, já havia colaborado com ele no roteiro de um curta-metragem, este que venceu o júri popular do Anima Mundi de 2013, Faroeste: Um Autêntico Western (2013). O Wesley...

Ler Mais

Brinquedo Assassino

Uma lembrança de infância que tenho vívida em minha mente é ir à vídeo locadora às sextas-feiras e ficar eufórico em meio a tantas opções. Naqueles tempos, antes do advento da Internet e morando em uma cidade do interior, a vídeo locadora era a minha janela para o mundo. Enquanto o espectador médio hoje passa horas diante do catálogo da Netflix e termina por não assistir nada, eu passava cerca de… bem, quando criança não se tem uma boa noção de tempo, enfim, todo final de semana era de praxe levar um dos seguintes filmes para casa: Em Busca...

Ler Mais