Home / Colunas / #5+1 / Os Oscars que o Léo não levou
LeonardoDiCaprio_BloodDiamo

Os Oscars que o Léo não levou

Por Sttela Vasco

O Oscar está chegando e, com ele, as apostas e previsões. E, claro, sempre tem aqueles que acabam chamando a atenção justamente por não terem levado o prêmio ou os prêmios aos quais concorria (Trapaça, oi). Nós já listamos alguns dos azarados da premiação, porém, nenhum deles ficou tão famoso – ou gerou tanta expectativa – quanto Leonardo DiCaprio. Foram cinco indicações e, até agora, nenhum prêmio para o Léo. A torcida para que o ator leve seu primeiro careca dourado neste domingo, 28, está mais forte do que nunca – inclusive, os fãs estão prometendo fazer festas ao redor do mundo caso ele ganhe, uma delas, na Avenida Paulista, em São Paulo – e as previsões indicam que dessa vez ele consegue. Enquanto o prêmio não chega, que tal relembrar as atuações que o fizeram bater na trave?

Um jovem com problemas psiquiátricos, um entusiasta por aviões, um traficante de diamantes. Mais do que mostrar os Oscars que o Léo não levou, a nossa lista prova a versatilidade do ator e os motivos que fazem com que tantas pessoas torçam para que ele finalmente conquiste o prêmio.

Gilbert Grape – Aprendiz de Sonhador

Gilbert Grape Aprendiz de Sonhador

Foi em 1994 que aconteceu a primeira indicação de DiCaprio ao Oscar pelo filme Gilbert Grape – Aprendiz de Sonhador (What’s Eating Gilbert Grape?), de Lasse Hallström. O ator, então com 20 anos, disputava na categoria de Melhor Ator Coadjuvante por seu papel como Artie, o irmão caçula de Johnny Depp que sofria de problemas mentais. Apesar de uma atuação impecável – que chega a roubar o protagonismo de Depp em alguns momentos – o ator perdeu a estatueta para Tommy Lee Jones, de O Fugitivo (The Fugitive).

O Aviador

O Aviador

A segunda indicação de DiCaprio demoraria para vir. Somente em 2005, 11 anos após Gilbert Grape, que o ator voltou a ser lembrado pela Academia. Dessa vez concorrendo na categoria de Melhor Ator por seu papel como Howard Hughes na cinebiografia O Aviador, segunda parceria dele com o diretor Martin Scorsese –  a primeira ocorreu em 2002 com Gangues de Nova York. O longa ganhou cinco estatuetas, entre elas a de Melhor Atriz Coadjuvante para Cate Blanchett e Melhor Fotografia, mas nada para o Léo, que perdeu o prêmio para Jamie Foxx e seu Ray Charles na também cinebiografia Ray.

Diamante de Sangue

Diamante de Sangue

Logo após O Aviador, Léo lançou apenas um filme, Diamante de Sangue (Blood Diamond), de Edward Zwick, que lhe renderia sua terceira nomeação ao Oscar em 2007. No papel de Danny Archer, um contrabandista de diamantes que firma um trato com um pescador de Serra Leoa que encontrou um raro exemplar rosa da pedra e pretende usá-lo para reencontrar sua família, DiCaprio foi mais uma vez nomeado na categoria de Melhor Ator. No entanto, perdeu o prêmio para Forest Whitaker, de O Último Rei da Escócia (The Last King of Scotland).

O Lobo de Wall Street

O Lobo de Wall Street

A quarta indicação de Leonardo viria em 2014 junto a sua quinta parceria com Martin Scorsese em O lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street). Interpretando o ambicioso corretor de Wall Street, Jordan Belfort, DiCaprio mais uma vez figurou entre os nomeados para Melhor Ator – e entrou também na corrida por Melhor Filme por ser um dos produtores do longa. No entanto, nem estar em duas categorias ajudou o Léo. O Melhor Filme ficou com 12 Anos de Escravidão (12 Years Slave), de Steve McQueen, e Melhor Ator foi justamente para Matthew McConaughey, por O Clube de Compras Dallas (Dallas Buyers Club) com quem DiCaprio havia contracenado em O Lobo de Wall Street.

O Regresso

O Regresso

Ainda não se sabe se O Regresso (The Revenant),  de Alejandro González Iñárritu, será o filme que finalmente dará a Leonardo DiCaprio o Oscar, porém, há grandes expectativas em torno dele. O papel de Hugh Glass, um caçador de peles que é deixado para trás por seu parceiro após sofrer um brutal ataque de urso e parte em uma jornada por vingança, exigiu muito fisicamente do ator e tem sido elogiado pela imprensa e pelo público antes mesmo de o longa estrear. Ao que tudo indica, essa é a grande chance de Léo ”desencantar” e conquistar a estatueta.

E aquele que ele não perdeu, mas merecia ser indicado…

Django Livre

Django Livre

Não, Dicaprio não foi indicado por Django Livre (Django Unchained), filme de 2012 de Quantin Tarantino, mas bem que poderia ter sido. A atuação de Léo no longa como o desprezível Calvin Candie foi, ao mesmo tempo, insana, aterrorizante e visceral. Em uma de suas cenas mais memoráveis, o ator quebra uma taça de vidro durante um ataque de fúria do personagem e acaba cortando sua mão esquerda de verdade. Ele, porém, continuou atuando e utilizou o ferimento para acrescentar mais tensão à cena. O próprio ator afirma que Candie foi um dos papéis mais duros de sua carreira e que exigiu muito dele, principalmente por se tratar não apenas de um vilão, mas de um ser humano sádico e extremamente cruel. Christoph Waltz ganhou o Oscar 2013 de Melhor Ator Coadjuvante por Django, mas Leonardo, apesar do ótimo desempenho, nem passou pela cabeça da Academia.

Fica aqui também uma menção honrosa a Prenda-me Se For Capaz (Catch Me If You Can), de Steven Spielberg, de 2002, no qual Léo faz o jovem golpista Frank Abagnale Jr. Com diversas facetas e passeando por momentos de drama e comédia, o filme mostra a capacidade do ator de se adequar aos mais diferentes tipos de personalidade de maneira crível. E você, também tem algum filme em que o Léo poderia ter sido indicado, mas não foi? Conte nos comentários!

Sobre Sttela

Sttela, 22 anos e jornalista. Comecei a gostar de cinema ainda criança, quando ia com o meu avô nas sessões à tarde. Fã de romances com velhinhos, filmes sobre gastronomia e Charles Chaplin.
Comentários