Home / Colunas / Toy Story of Terror
CInemascope - Toy Story of Terror

Toy Story of Terror

Por Breno Bringel

A pixar já possui tradição de qualidade quando o assunto são curtas-metragens. Vários desses curtas, inclusive, trazem personagens consagrados de outros longas da produtora. Portanto, Toy Story of Terror não poderia ser uma exceção a esta regra. Mas, infelizmente, é.

Exibido recentemente na TV norte-americana, em comemoração ao Halloween, este curta protagonizado por Woody, Buzz e companhia traz como único atrativo a lembrança dos longas originais, que formam a melhor trilogia de animação do cinema.

Em pouco mais de 20 minutos, o curta mostra como os antigos brinquedos do Andy estão, agora com a Bonnie, enquanto fazem uma viagem de carro. Após um imprevisto, todos são forçados a passar uma noite em um hotel de beira de estrada, onde coisas estranhas começam a acontecer.

Cinemascope - Toy Story of Terror 2

Assim, o roteiro, apesar de apresentar algumas sacadas interessantes, com o passar do tempo se torna um pouco repetitivo, principalmente por abordar, de certo modo, a mesma história apresentada no segundo filme da franquia, pois, novamente, temos alguém tentando vender os brinquedos.

Desse modo, as melhores falas acabam sendo as proferidas pelo Mr. Pricklepants (ou Sr. Espeto), o porco-espinho de pelúcia do terceiro filme. Como no longa, o personagem continua a demonstrar seu vasto conhecimento, aqui apresentando várias referências a clichês dos filmes de terror, em uma verdadeira metalinguagem digna da franquia pânico.

Outra história abordada no curta é o passado da Jessie, e sua consequente claustrofobia, resultado de anos dentro de uma caixa. Assim, o fraco roteiro ganha pontos por seguir com a história trazida nos filmes anteriores, evitando, desse modo, soar episódico e desligado do universo dos personagens que tanto já conhecemos.

Contando com um inicio genial, a versão em animação de uma cena clássica do Dracula de 1931, este curta, apesar de falho, traz de volta alguns dos personagens que tanto aprendemos a amar e a sentir saudades.

Veja o curta:

Sobre Breno

Cinéfilo desde criança, viciado em música e séries de TV, tem em "O Silêncio dos Inocentes" seu filme favorito, apesar de ser fanático por tudo que remete às décadas de 1960 e 1970.
Comentários