Home / Críticas / Alpes
postalps

Alpes

Por Wallacy Silva

Quatro pessoas se reúnem regularmente em um ginásio esportivo. Os integrantes desse grupo, batizado de Alpes, se revezam “substituindo” pessoas que faleceram, visando tornar menos dura a rotina daqueles que perderam os seus entes queridos. Mas a enfermeira que participa do grupo começa a desobedecer às regras que foram estabelecidas e trapacear os companheiros, ao mesmo tempo em que entra em uma crise existencial.

O filme grego exige uma boa colaboração do espectador, esperando que ele aceite a situação insólita que está colocada: será que alguém realmente contrataria uma pessoa para “encenar” um ente querido que faleceu? É muito provável que não, mas a prática é comum nesta história. O drama da dor da morte é sobreposto pelo drama da protagonista, que encontra nessa atividade a válvula de escape para a monotonia de sua própria vida. O tom melancólico e fúnebre, expresso no ritmo e na fotografia do filme, seria mais adequado se o foco da narrativa fosse o sentimento de perda, mas acaba se adaptando à crise de identidade vivida pela personagem.

A enfermeira apresenta um interesse especial por uma jovem que sofreu um acidente e que está internada em estado grave no hospital em que trabalha. Começa então a tentar fazer amizade com a paciente, se envolver com ela, conhecer os seus gostos, tal qual uma atriz que está fazendo um estudo de personagem. Quando a adolescente morre, a enfermeira prontamente vai fazer a “proposta” que é aceita pelos pais. Nesta cena a protagonista já aparece usando a munhequeira favorita da adolescente, que jogava tênis, numa mostra de que estava “pronta” para “assumir o papel”. Ao mesmo tempo ela esconde a morte de seus colegas do Alpes, dizendo que a menina se salvou por um milagre. Mas quando o líder, com o codinome Mont Blanc, descobre, a protagonista acaba tendo que lidar com as consequências, é expulsa do grupo (em uma cena forte, que lembrou um pouquinho Caché, do Haneke), e se afunda de vez em seu transtorno.

O longa se desenvolve lentamente e nos expõe a um emaranhado de fingimentos que nos faz colocar em dúvida todas as relações entre personagens. Ao final é possível cogitar que a ginasta (que abre e fecha o filme com suas performances de ginástica artística) também está interpretando alguma outra pessoa para o treinador – ambos são membros do Alpes – e até mesmo que o pai da enfermeira na verdade não seja o seu pai – o que prova o contrário? Falta verossimilhança a este trabalho do diretor Yorgos Lanthimos, e falta dinâmica para prender o espectador na história. Mas não deixa de ser interessante acompanhar essa mulher que, de tanto fingir ser outras pessoas, acaba por viciar-se em viver a vida alheia, e não saber mais quem ela realmente é.

Cinemascope -Alpes Poster

Alpes (Alpeis)

Ano: 2011

Diretor: Yorgos Lanthimos.

Roteiro: Yorgos Lanthimos e Efthymis Filippou.

Elenco Principal: Stavros Psyllakis, Aris Servetalis, Johnny Vekris, Ariane Labed, Aggeliki Papoulia, Erifili Stefanidou.

Gênero: Drama.

Nacionalidade: Grécia.

 

 

 

Veja o trailer:

[youtube]9i2xl_vo88w[/youtube]

Por Wallacy Silva Quatro pessoas se reúnem regularmente em um ginásio esportivo. Os integrantes desse grupo, batizado de Alpes, se revezam “substituindo” pessoas que faleceram, visando tornar menos dura a rotina daqueles que perderam os seus entes queridos. Mas a enfermeira que participa do grupo começa a desobedecer às regras que foram estabelecidas e trapacear os companheiros, ao mesmo tempo em que entra em uma crise existencial. O filme grego exige uma boa colaboração do espectador, esperando que ele aceite a situação insólita que está colocada: será que alguém realmente contrataria uma pessoa para “encenar” um ente querido que faleceu?…

Avaliação geral

Avaliação geral

3

Sobre Wallacy

Letrista, paulistano, adora música, livros, futebol, redes sociais, idiomas, conversas, novidades, detalhes, interpretações e, obviamente, cinema! @wallacy13
Comentários