Home / Críticas / Oslo, 31 de Agosto
Cinemascope - Oslo 31 de agosto destaque

Oslo, 31 de Agosto

Por Breno Bringel

Mais recente filme de Joaquim Trier, Oslo, 31 de Agosto é uma belíssima obra sobre a efemeridade da vida e como o futuro pode nos reservar o que não esperamos.

Narrando um dia na vida de Anders, ex-dependente químico que recebe autorização para deixar a clínica de reabilitação por um dia, a fim de comparecer em uma entrevista de emprego, Trier já inicia o longa com narrações em off e cenas entrecortadas de falsos arquivos, mostrando o quanto os bons momentos da vida são efêmeros e nostálgicos.

O filme é hábil em apresentar também um forte retrato da depressão. Nos mostrando sempre o ponto de vista do personagem principal, Trier, inclusive, ressalta a vulnerabilidade de Anders por meio de suas escolhas estilísticas para o filme, como a alternância do foco em algumas cenas e uso da câmera sempre próximo ao rosto do personagem. Nesse sentido, a cena, logo no início do longa, em que o personagem tenta o suicídio é de um impacto absurdo.

A jornada de Anders representa sua morte aos poucos, não apenas física mas também e, principalmente, espiritual. Inicialmente sóbrio, o personagem vai paulatinamente retornando ao seu antigo estilo de vida, a princípio às bebidas alcoólicas para, no fim, sucumbir novamente às drogas.

Grande trunfo do filme, ainda, o ator Anders Danielsen Lie (que, curiosamente, possui o mesmo nome do personagem principal) consegue transmitir de maneira ímpar a angústia e desespero de Anders em ter que retornar a sua estagnada vida cotidiana.

Finalizando o longa mostrando os locais percorridos pelo protagonista, agora vazios, provocando, assim, um misto de melancolia e nostalgia no espectador, Trier encerra esse que é um dos melhores filmes dos últimos anos.

Cinemascope - Oslo 31 de agosto posterAno: 2011

Diretor: Joaquim Trier

Roteiro: Joachim Trier e Eskil Vogt, baseado no romance de Pierre Drieu La Rochelle.

Elenco Principal: Anders Danielsen Lie, Hans Olav Brenner, Johanne Kjellevik Ledang, Ingrid Olava.

Gênero: Drama

Nacionalidade: Noruega

 

 

 

Veja o trailer:

Galeria de Fotos:

 

Por Breno Bringel Mais recente filme de Joaquim Trier, Oslo, 31 de Agosto é uma belíssima obra sobre a efemeridade da vida e como o futuro pode nos reservar o que não esperamos. Narrando um dia na vida de Anders, ex-dependente químico que recebe autorização para deixar a clínica de reabilitação por um dia, a fim de comparecer em uma entrevista de emprego, Trier já inicia o longa com narrações em off e cenas entrecortadas de falsos arquivos, mostrando o quanto os bons momentos da vida são efêmeros e nostálgicos. O filme é hábil em apresentar também um forte retrato da…

Avaliação geral

Avaliação Geral

5

Sobre Breno

Cinéfilo desde criança, viciado em música e séries de TV, tem em "O Silêncio dos Inocentes" seu filme favorito, apesar de ser fanático por tudo que remete às décadas de 1960 e 1970.
Comentários