Home / Notícias / Frank Capra é a estrela do Cineclube Caixa Belas Artes (SP) em agosto
A felicidade não se compra

Frank Capra é a estrela do Cineclube Caixa Belas Artes (SP) em agosto

Da redação

Em agosto, o cineclube Caixa Belas Artes homenageia o cineasta italiano Frank Capra, com a exibição de quatro títulos: O Galante Mr. DeedsA mulher faz o homemA felicidade não se compra e Aconteceu naquela noite. O ciclo especial O Caloroso cinema de Frank Capra teve início neste sábado (08) e segue até o dia 02/09, com sessões às quartas e sábados.

Nascido na Sicília, Capra mudou-se para os Estados Unidos aos seis anos de idade, naturalizando-se norte-americano muitos anos depois. Notabilizou-se como um dos grandes diretores da era clássica de Hollywood: Aconteceu naquela noite foi o primeiro longa da história do Oscar a vencer os cinco prêmios principais – Melhor filme, Diretor, Ator, Atriz e Roteiro, em 1935. Capra venceria outros dois Oscars de Melhor Diretor e outro de Melhor filme, por Do mundo nada se leva. Também ganhou o Globo de Ouro de Melhor diretor em 1946 e em 1982 recebeu o Leão de Ouro em reconhecimento ao conjunto de sua obra.

Após O Caloroso cinema de Frank Capra, o Cineclube Caixa Belas Artes apresenta o ciclo As diversas facetas de Jack Nicholson. O tema foi escolhido pelo público por meio da promoção ‘Cinéfilos no comando’, realizada em meio às comemorações pelo aniversário do cinema. Via Facebook, o público pôde brincar de ser curador e escolher, entre três opções, o tema do cineclube de setembro. As diversas facetas de Jack  Nicholson venceu a disputa e vai exibir, entre 3 e 30/09 os filmes Passageiro – profissão repórter, de Michelangelo Antonioni; Easy rider, de Dennis Hopper; O destino bate à sua porta, de Tay Garnett; e A pequena loja de horrores, de Frank Oz.

Os ingressos para a programação especial já estão à venda na bilheteria do cinema e pelo site Ingresso.com.

Sobre Joyce

Fundadora e editora do Cinemascope, jornalista, paulistana, fotógrafa, apaixonada por David Lynch, Pedro Almodóvar, Marilyn Monroe e café.
Comentários