Da redação

No dia 24 de setembro, o Memorial da Resistência realizará mais uma edição do Sábado Resistente, projeto realizado em parceria com o Núcleo de Preservação da Memória Política. O evento acontece às 14h00, e terá exibição dos curtas-metragens Tortura tem cor, dirigido por Pedro Biava, e Eu vi, codirigido por Biava e Fábio Eitelberg, ambos do coletivo Reviralata.

Tortura tem cor narra a participação do major Carlos Brilhante Ustra dentro do DOI-Codi de São Paulo, conhecido também como Operação Bandeirante. No local, o militar foi responsável pela tortura de diversos presos, além de ser mandante de muitas outras. O documentário traz depoimentos de Maria Amélia Teles, a Amelinha, ex-militante do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), que foi torturada pessoalmente por Ustra. Falaram também ao filme Adriano Diogo e Emilio Ivo Ulrich, ambos presos e torturados no DOI-Codi. Para o filme foram produzidas também, pelo artista plástico André Catoto, algumas gravuras inéditas, baseadas nos depoimentos colhidos pela equipe.

Já o curta documentário Eu vi, conta a história da repórter Helle Alves, do fotógrafo Antonio Moura e do cinegrafista Walter Gianello, todos dos Diários Associados, que chegaram na Bolívia em 1967 para cobrir o julgamento do jornalista Regis Debray – um jornalista francês que havia sido detido por integrar a guerrilha que circulava pelas selva Boliviana. No entanto, eles acabam por conseguir um furo de reportagem: a morte de Che Guevara.

PROGRAMAÇÃO

14h00 – Boas vindas – Kátia Felipini Neves (Memorial da Resistência de São Paulo)

Coordenação – Maurice Politi (Núcleo de Preservação da Memória Política)
14h10 – Exibição do Documentário Eu vi (19’) e Tortura Tem Cor (16’)

 

SERVIÇO

Memorial da Resistência de São Paulo

Endereço: Largo General Osório, 66 – Luz – Auditório Vitae – 5º andar

Telefone: (011) 3335-4990/ [email protected]

Aberto de quarta a segunda (fechado às terças)

Entrada Gratuita