Home / Notícias / Novo filme de Woody Allen, Café Society, abrirá Festival de Cannes
Longa, ainda sem data de estreia, será abertura de Festival.
Longa, ainda sem data de estreia, será abertura de Festival.

Novo filme de Woody Allen, Café Society, abrirá Festival de Cannes

Da Redação

Após anunciar na última segunda-feira (21) a data e o pôster de sua 69ª edição, o Festival de Cannes, um dos mais importantes do mundo, revelou que a abertura desse ano ficará por conta do mais novo filme de Woody Allen, Café Society. O longa, que é protagonizado por Kristen Stewart e Jesse Eisenberg e ambientado na Hollywood dos anos 1930, participa fora de competição e marca a 14ª participação do diretor no Festival.

Essa é a terceira vez que Allen abre Cannes.

Essa é a terceira vez que Allen abre Cannes.

Ainda sem muitos detalhes sobre sua sinopse, é sabido que Café Society se trata da história de um jovem rapaz judeu, interpretado por Eisenberg, que deixa sua casa e família em Nova York para tentar uma carreira na indústria cinematográfica de Hollywood. Ele passa a enfrentar problemas ao se apaixonar pela namorada do chefe, interpretada por Stewart. Ainda não há previsão de estreia para o filme.

Allen já foi responsável pela abertura de Cannes em 2002, com Dirigindo no Escuro (Hollywood Endings), sobre um diretor que passa por uma cegueira temporária e precisa gravar um filme sem que o estúdio perceba sua condição, e em 2011 com Meia-Noite em Paris (Midnight in Paris), sobre um escritor frustrado que passa férias em Paris e se depara com alguns de seus sonhos mais loucos se tornando realidade.

O Festival acontecerá entre 11 e 22 de maio e os 20 nomeados à Palma de Ouro, sua principal mostra competitiva, têm previsão de serem anunciados em 14 de abril. O júri deste ano será presidido pelo diretor australiano George Miller (Mad Max).

 

 

 

 

 

Sobre Sttela

Sttela, 22 anos e jornalista. Comecei a gostar de cinema ainda criança, quando ia com o meu avô nas sessões à tarde. Fã de romances com velhinhos, filmes sobre gastronomia e Charles Chaplin.
Comentários