Home / Críticas / Amor bandido
MUD-16973.jpg

Amor bandido

Por Breno Bringel

Jeff Nichols vem se tornando um expoente em sua geração. Vindo do ótimo O Abrigo, o exímio diretor consegue, ano após ano, nos brindar com histórias bem construídas sobre personagens fortes em momentos vulneráveis de suas vidas. Em seu novo filme, portanto, não seria diferente.Narrando a história de amizade entre dois garotos e um fugitivo da polícia, que busca reencontrar sua paixão de infância, o longa, que nacionalmente recebeu o horrível título de Amor Bandido, foge dos clichês típicos do gênero, nos apresentando uma história emocionante e interessante na medida certa.De fato, o longa nunca se limita apenas a abordar a caçada policial ao personagem de McConaughey. Ao focar nos personagens Ellis e Neckbone, o filme acaba evidenciando ainda mais o amadurecimento experimentado pelos jovens, em meio a situação em que se encontram, lembrando também filmes como Conta Comigo.

Notamos, inclusive, um paralelo entre Mud e Ellis, pois o primeiro acaba sendo a personificação da esperança e da coragem do segundo. Esperança de que amor de fato exista, esperança de que a vida melhorará, esperança de que seus pais se entenderão. Por conta disso, em uma das melhores cenas do filme, quando Ellis afronta Mud, após este enviar um bilhete terminando o namoro com Juniper, vemos uma criança extremamente desiludida com a vida.

Apesar do ótimo roteiro, também escrito por Nichols e da excelente direção, este filme não seria o mesmo sem a presença do estonteante elenco, cheio de nomes conhecidos em papéis pouco usuais. Witherspoon, por exemplo, dá uma folga às comédias românticas para construir uma Juniper sofrida, mas ainda inexperiente no amor, enquanto o garoto Tye Sheridan, que já havia se sobresaído no emocionante A Árvore da Vida, consegue, aqui, novamente emocionar e surpreender, interpretando o sensível e explosivo Ellis. Em outras pequenas participações interessantes temos Sam Sheppard, como o vizinho de Ellis com um passado obscuro e Michael Shannon, colaborador habitual de Nichols, como o tio de Neckbone.

Liderando esse ótimo elenco, ainda temos um irreconhecível Matthew McConaughey, que, como vem acontecendo regularmente nos últimos anos, nos presenteia com outra interessante interpretação. Como Mud, McConaughey compõe um personagem ao mesmo tempo misterioso e sensível, cheio de crenças e superstições fantásticas, mas franco em relação ao seu amor por Juniper, fazendo com que nunca confiemos completamente nele, apesar de sempre torcermos por ele, resultado da brilhante construção de um personagem complexo como este.

Contando ainda com uma ótima fotografia, que se utiliza das várias paisagens naturais, sobretudo nas cenas nos rios, para aprofundar ainda mais a sensação de isolamento daqueles personagens, vivendo em casas improvisadas em barcos à beira mar, e um clímax literalmente explosivo, este filme é mais um destaque na carreira de Jeff Nichols.

Amor Bandido posterAmor Bandido (Mud)

Direção: Jeff Nichols.

Roteiro: Jeff Nichols.

Elenco principal: Matthew McConaughey, Resse Witherspoon, Tye Sheridan, Jacob Lofland,  Sam Shepard, Ray McKinnon, Sarah Paulson, Michael Shannon.

Gênero: Drama.

Nacionalidade: EUA.

 

 

 

Veja o trailer:

Galeria de fotos:
Por Breno Bringel Jeff Nichols vem se tornando um expoente em sua geração. Vindo do ótimo O Abrigo, o exímio diretor consegue, ano após ano, nos brindar com histórias bem construídas sobre personagens fortes em momentos vulneráveis de suas vidas. Em seu novo filme, portanto, não seria diferente.Narrando a história de amizade entre dois garotos e um fugitivo da polícia, que busca reencontrar sua paixão de infância, o longa, que nacionalmente recebeu o horrível título de Amor Bandido, foge dos clichês típicos do gênero, nos apresentando uma história emocionante e interessante na medida certa.De fato, o longa nunca se limita…

Avaliação geral

Avaliação geral

4,5

Sobre Breno

Cinéfilo desde criança, viciado em música e séries de TV, tem em "O Silêncio dos Inocentes" seu filme favorito, apesar de ser fanático por tudo que remete às décadas de 1960 e 1970.
Comentários