Home / Críticas / Corrente do Mal
corrente-do-mal 1

Corrente do Mal

Por Ana Carolina Diederichsen

Jay (Maika Monroe) é uma jovem comum que leva uma vida pacata. Uma noite, sai (e transa) com um rapaz. Depois do ato, ele prende a menina a uma cadeira e explica que a partir de agora ela é portadora de uma maldição. O “mal” sexualmente transmissível, que ela agora carrega se apresenta na forma de uma pessoa que somente ela pode ver, que pode ter traços demoníacos ou não, e que a persegue caminhando lentamente. Embora seja possível fugir, dada a velocidade do “mal”, ele é fatal se vier a tocá-la.  Portanto, a partir de agora, cabe a Jay fugir desses seres pelo resto de sua vida.

Com essa premissa diferente, o terror independente ganhou certo destaque em festivais renomados. A fotografia, embora apresente belos e eficientes enquadramentos,  evidencia o caráter quase amador e “low budget” do filme.

Numa primeira avaliação, a maldição sob a forma de contágio sexual pode ser interpretada como um importante alerta, promovendo indiretamente uma campanha contra as DSTs. Mas essa visão logo vai por água abaixo quando você descobre que a única maneira de se livrar do “mal” é o passando adiante, ou seja, transando com a maior quantidade de pessoas possível.

Dessa maneira, quando uma pessoa contaminada pelo mal faz sexo com outra, o mal que atormentava a anterior, passa a perseguir a próxima, e assim por diante. Daí o título, que tipifica uma corrente. Ou seja, a brilhante ideia de uma campanha de conscientização se converte num pesadelo à medida que incentiva, como a única opção, o sexo desenfreado.

Um dos pontos fortes do filme é a trilha sonora. Dissonante e bem inserida, causa o desconforto necessário para completar o clima de suspense. Apesar de não ser bela, apresenta tons interessantes e contribui, como poucas, para a criação do terror.

David Robert Mitchell, diretor pouco experiente, conduz as cenas com segurança e pode despontar em breve. Usa bem a construção do suspense, se pautando nos tradicionais clichês do terror. Outro aspecto positivo é que, mesmo sem efeitos especiais mirabolantes e monstros de aparências terríveis, garante alguns bons sustos. É competente e mostra uma equipe promissora, mas pelo frisson que causou, o longa poderia (e deveria) ser mais ousado.

corrente-do-mal posterCorrente do mal (It Follows)

Ano: 2014

Diretor: David Robert Mitchell

Roteiro: David Robert Mitchell

Elenco Principal: Maika Monroe, Keir Gilchrist, Olivia Luccardi, Lili Sepe.

Gênero: Terror/Suspense

Nacionalidade: EUA

Veja o trailer:

 

Galeria de fotos:

Por Ana Carolina Diederichsen Jay (Maika Monroe) é uma jovem comum que leva uma vida pacata. Uma noite, sai (e transa) com um rapaz. Depois do ato, ele prende a menina a uma cadeira e explica que a partir de agora ela é portadora de uma maldição. O “mal” sexualmente transmissível, que ela agora carrega se apresenta na forma de uma pessoa que somente ela pode ver, que pode ter traços demoníacos ou não, e que a persegue caminhando lentamente. Embora seja possível fugir, dada a velocidade do “mal”, ele é fatal se vier a tocá-la.  Portanto, a partir de…

Avaliação geral

Avaliação Geral

2,5

Sobre Ana Carolina

Radialista, apertadora de botões convicta, mas com algumas ideias na caixola. Trabalha em televisão, mas não se deixou corromper pelo lado negro da força. Gosta de Cinema, arte, bichos, pijamas e unicórnios. Adora boas historias e tem fixação pela imagem. Intensa e dramática. Dizem que é nerd, mas não perde um blockbuster por nada.
Comentários