Home / Críticas / Bling Ring: A Gangue de Hollywood
Blin Ring

Bling Ring: A Gangue de Hollywood

Por Maiara Prestes e Victor Melo

Sofia Coppola aborda em Bling Ring a obsessão de adolescentes com o mundo das celebridades,  fama e  riqueza as quais estão cercados. O longa foi um chamariz atrativo antes mesmo das gravações. Jovens atores, interpretando os “vilões”, uma direção que gerou muitas expectativas, uma história real e polêmica, entre outros atrativos, que vão da trilha sonora ao figurino.

Sofia usou de inspiração o ocorrido para criar seu filme e as situações nele vividas. Jovens com boas condições de vida que não precisavam roubar, mas se submetem a tal, pois  o que realmente desejavam era estar mais próximo de seus ídolos, por meio de suas roupas,  jóias e dinheiro.

Nada além da alienação desse mundo e da inconsequência dos cinco é mostrado. Quando os jovens são descobertos e sentenciados, Nicki Moore (Emma Watson), que ganhou vida inspirada em Alexis Neiers,  usa ao seu favor os fatos e cria seu marketing pessoal,  assim como Alexis Neiers, que se tornou até celebridade de um reality show onde sua vida familiar foi exposta ao extremo.

Planejado desde 2011, o longa contou com várias processos judiciais e também fez uso de uma extensa coleta de informações, para tentar ser o mais fiel possível. E parece que foi mesmo. A trama aborda um grupo de jovens (e muito ricos) de Los Angeles (Califórnia) que fez uma série de invasões e roubos a casa de celebridades famosas e, principalmente, polêmicas como Paris Hilton, Lindsay Lohan, Orlando Bloom, Audrina Patridge, entre outros. O filme levanta várias questões, a principal é: o porquê jovens ricos roubariam? E porque roubariam ESSES famosos? A resposta é implícita, mas é claro que a fama instantânea e a influência da mídia poderiam ser respostas plausíveis.

E isso é retratado não só em Bling Ring como em  boa parte das obras da diretora, talvez por experiência própria, Sofia Coppola tenha sempre algo a dizer sobre a fama – vinda de uma família do mundo cinematográfico e muito assediada pela mídia, desde sua infância. Mas a fama decorrente aos roubos foi assustadora: os flashes antes tirados nas baladas pelos integrantes do grupo de ladrões que ostentavam seus roubos e pertences para quem quisesse ver, agora eram tirados nas portas dos tribunais, e em qualquer lugar que eles fossem, “porque eles eram famosos, eles tinham roubado a Paris”.

O mais chocante é ver em como o lugar onde você vive pode definir um status sobre quem você é, e aquilo que é dito como o” O Melhor Estilo de Vida”. Como quando toca a primeira musica da trilha do filme e os ladrões estão pegando pertences alheios, nos mostrando o glamour e poder que o dinheiro pode oferecer…como não ficar tentado…

A cineasta sabia do que estava falando. Fama, celebridades e excessos são parte do meio em que ela viveu, e com a ajuda de Nancy Jo (escritora do artigo publicado na Vanity Fair, que mais tarde tornou-se um livro), conseguiu passar a sua ideia do que significa aquele mundo. Nada além disso.  Nem a certeza  de que esse culto às celebridades não agrega nada positivo aos jovens.

Cinemascope - Bling RingBling Ring – A Gangue de Hollywood (The Bling Ring)

Ano: 2013

Direção: Sofia Coppola.

Roteiro: Sofia Coppola (baseado no artigo da Vanity Fair, de Nancy Jo)

Elenco principal: Emma Watson, Katie Chang, Israel Broussard, Claire Julien, Gavin Rossdale.

Gênero: Policial.

Nacionalidade: EUA

 

 

 

Veja o trailer:

Galeria de fotos:

Por Maiara Prestes e Victor Melo Sofia Coppola aborda em Bling Ring a obsessão de adolescentes com o mundo das celebridades,  fama e  riqueza as quais estão cercados. O longa foi um chamariz atrativo antes mesmo das gravações. Jovens atores, interpretando os “vilões”, uma direção que gerou muitas expectativas, uma história real e polêmica, entre outros atrativos, que vão da trilha sonora ao figurino. Sofia usou de inspiração o ocorrido para criar seu filme e as situações nele vividas. Jovens com boas condições de vida que não precisavam roubar, mas se submetem a tal, pois  o que realmente desejavam era…

Avaliação geral

Avaliação geral

4

Sobre Victor

Futuro estudante de Audiovisual, fascinado por musica, livros e, é claro, por cinema. Sonha um dia ver nas prateleiras seus livros publicados, viajar e ver tudo que o mundo pode oferecer
Comentários