Por Joyce Pais

Drive poderia ser só mais um filme de ação com carros turbinados, muita velocidade, negócios ilícitos e, pra completar, um romance fadado ao insucesso. Apesar de conter tudo isso, o filme consegue construir uma atmosfera própria mesmo com a utilização de temas recorrente em obras do gênero.

Baseado no livro homônimo de James Sallis e roteirizado pelo iraniano Hossein Amini, Drive, indicado ao Oscar 2012 de Melhor Edição de Som, conta a história de um ´piloto´ que possui uma vida dupla; de dia trabalha como mecânico numa oficina e como dublê de filmes de ação e de noite serve de motorista contratado para assaltos.

Logo na introdução de Drive somos pegos pela trama. O ‘piloto’ (Ryan Gosling) nas primeiras falas deixa bem claro suas regras: o que acontece nos primeiros cinco minutos do assalto é por sua conta, depois que o tempo se extrapola é responsabilidade de quem o chamou para o serviço ‘sujo’, ele não participa do serviço, não porta armas, só dirige. Em Los Angeles, na cidade onde as luzes não se apagam, o submundo do crime é desvelado e inevitavelmente coloca o motorista no caminho de gângsters perigosos como Nino (Perlman) e Bernie (Brooks). Ele conta com a ajuda do mecânico veterano da indústria cinematográfica, Shannon (Bryan Cranston), que o agencia em ambos os negócios e tem promissores planos para ele na Stock Car.

Com uma nítida influência oitentista, vemos uma trilha bem elaborada por Cliff Martinez que muito lembra as criações de Angelo Badalamenti em filmes como Veludo Azul, Cidade dos Sonhos e outras obras do diretor David Lynch. Além do recurso sonoro, o figurino é um elemento importante do longa já que diz muito sobre a personalidade do protagonista; uma jaqueta de couro com um escorpião bordado nas costas não foi colocado alí a toa, levando-se em consideração que, simbolicamente, o aracnídeo está relacionado à morte, transformação e ao ressurgimento – etapas pelas quais nosso ‘herói’ passa ao longo da trama.

Pouco sabemos sobre seu passado, sua história. Uma aparência cansada e triste atribuem à sua personalidade introspecção e só servem para aumentar a aura de mistério em torno desta figura, que consegue transitar entre situações violentas e encontros amorosos tranquilamente.

Irene (Carey Mulligan) é o motivo pelo qual o piloto se envolve nessa teia sem fim de crimes. A paixão à primeira vista pela vizinha e a relação que cultivou por alguns dias com ela e seu filho, Benício, se torna um problema quando anunciada a saída de seu marido da cadeia. A partir desse momento, a vida do piloto muda completamente de direção, nos fazendo questionar se suas atitudes poderiam ser consideradas surpreendentes ou se o que vemos é a manifestação de um instinto que ele jamais conseguiria negar.

 

Cinemascope---Drive-PosterDrive

Ano: 2011

Diretor: Nicolas Wind Refn

Roteiro: Hossein Amini.

Elenco Principal: Ryan Gosling, Carey Mulligan, Albert Brooks, Ron Perlman.

Gênero: Drama.

Nacionalidade: EUA.

 

 

 

Veja o trailer:

[youtube]iP2rkfNigXo[/youtube]

Galeria de Fotos: