Home / Críticas / Sem dor, sem ganho
Sem Dor Sem Ganho Destaque 640x400

Sem dor, sem ganho

Por Jenilson Rodrigues

Quem procura por mais um filme de ação com homens musculosos, lindas mulheres, cenas de perseguição e fantásticas explosões encontrará em Sem Dor Sem Ganho um prato cheio. A vantagem aqui é que dessa vez o diretor Michael Bay – responsável pelas sagas Bad Boys e Transformers – conseguiu inovar. Os clichês existem aos montes como a clássica cena onde os protagonistas caminham tranquilamente com uma enorme explosão ao fundo. Entretanto, ao invés de seguir somente a já manjada fórmula dos grandes blockbusters de Hollywood, o longa consegue prender a atenção do espectador até o fim unindo uma história bem contada com uma montagem perfeita que valoriza cada momento das 2 horas do filme.

Daniel Lugo (Mark Wahlberg) tenta ganhar a vida como instrutor de uma academia em Miami, na Flórida no início dos anos 90. Sua paixão por exercícios faz com que ele desenvolva bem seu trabalho, mas sua ambição pelo sonho americano de uma vida de luxo, riqueza e sucesso faz com que ele sempre queira algo mais. A tentadora cidade de Miami com seu calor, carros potentes e garotas de biquíni contribui para que a inveja de Lugo desperte ainda mais seu desejo por subir rápido na vida. Através da observação desse cenário atraente a sua volta, como um crocodilo apenas com os olhos para fora da água em uma das cenas ele espreita sua presa e em seu pensamento vai se construindo uma maléfica e audaciosa estratégia para satisfazer seus desejos. Suas pretensões acabam o levando a um perigoso caminho onde ele teria que se arriscar muito para se dar bem através de um golpe perfeito em cima de um ricaço da região.

Inspirado por filmes de gângsteres e pelas ideias de famosos personagens do cinema como Don Corleone de O Poderoso Chefão (1972) e Tony Montana de Scarface (1984), Daniel vai traçando seu plano à medida que vai agregando parceiros para colaborar com sua investida. Seu amigo Adrian Doorbal (Anthony Mackie) e o ex-presidiário Paul Doyle (Dwayne Johnson) acabam se tornando seus maiores colaboradores nessa arriscada empreitada. O que o grupo não contava era que a mesma determinação usada para aplicar o golpe deveria se manter durante toda a farsa, tarefa quase impossível quando você vê tantos desejos realizados de uma só vez, o que te impulsiona a querer mais e mais.

A trilha sonora em alguns momentos dita o ritmo da trama como nas cenas de drogas regadas a música eletrônica ou como nos momentos de luxo e ostentação ambientados pelo hip hop americano. O que começou de uma forma meio confusa, com a desnecessária narração de 4 personagens diferentes no início da história, vai se desenrolando e se convertendo em algo interessante. Com cenas rápidas e takes sem muitos truques ou efeitos especiais, o filme vai ganhando um contorno envolvente e surpreende, pois essa combinação consegue em alguns momentos transformar até instantes de tensão e crueldade em sequências engraçadas.

Sem Dor Sem Ganho Poster 200x300Sem dor, sem ganho (Pain & Gain)

Ano: 2013

Direção: Michael Bay

Roteiro: Christopher Markus, Stephen McFeely.

Elenco principal: Mark Wahlberg, Dwayne Johnson, Ed Harris.

Gênero: Ação, Drama, Comédia.

Nacionalidade: EUA

 

 

 

 

Veja o trailer:

Galeria de Fotos:

Por Jenilson Rodrigues Quem procura por mais um filme de ação com homens musculosos, lindas mulheres, cenas de perseguição e fantásticas explosões encontrará em Sem Dor Sem Ganho um prato cheio. A vantagem aqui é que dessa vez o diretor Michael Bay – responsável pelas sagas Bad Boys e Transformers – conseguiu inovar. Os clichês existem aos montes como a clássica cena onde os protagonistas caminham tranquilamente com uma enorme explosão ao fundo. Entretanto, ao invés de seguir somente a já manjada fórmula dos grandes blockbusters de Hollywood, o longa consegue prender a atenção do espectador até o fim unindo…

Avaliação geral

Avaliação geral

3.5

Sobre Jenilson

Aficionado por música, cinema e literatura. Colecionador de livros, discos e filmes. Mineiro e fã dos filmes estilo "nó na mente" como os de Michel Gondry e Spike Jonze. Apreciador de boas conversas, principalmente sobre cinema.
Comentários