Home / Críticas / Sete dias com Marilyn
Cinemascope - Sete dias com Marilyn

Sete dias com Marilyn

Por Joyce Pais

Baseado nas obras de Colin Clark, My Week With Marilyn e The Prince, The Showgirl and Me, Sete Dias com Marilyn relata um período específico da vida e carreira da atriz Marilyn Monroe – os bastidores das gravações do filme O Príncipe Encantado (The Prince and the Showgirl; 1957). No auge do sucesso e em lua de mel do terceiro casamento, Marilyn e seu marido, o dramaturgo Arthur Miller, desembarcam na Inglaterra e a partir de então, uma série de dramas marcam sua estadia no país, o maior deles, sendo o envolvimento entre a estrela e Colin, o terceiro assistente de direção do respeitado ator britânico Laurence Olivier.

Cotada para viver na pele uma das figuras mais emblemáticas do mundo, Michelle Williams a princípio hesitou, mas após ler o roteiro e ser encantar com a história, aceitou o convite e desbancou as atrizes Scarlett Johansson, Kate Hudson, Amy Adams e Lindsay Lohan, cotadas anteriormente para o posto. Submetida a uma transformação que passou, inclusive, pelo físico, já que foi preciso ganhar peso para alcancar as medidas de Marilyn, Michelle imergiu em sua preparação que envolvia aulas de coreografia e muito estudo do material deixado e/ou inspirado na atriz como filmes, livros, músicas e etc.

As filmagens ocorreram em Saltwood Castle, White Waltham Airfield e locais próximos a Londres. O diretor Simon Curtis utilizou o mesmo estúdio em que Monroe gravou O Príncipe Encatado e Williams o mesmo camarim usado pela estrela durante as gravações originais; o trabalho de pesquisa e pré-produção foi longo e detalhista para poder recriar a atmosfera da época, a direção de fotografia comandada por Ben Smithard aliada aos belos cenários deram ao espectador uma visão do ‘sonho’ vivido por Colin.

A dificuldade em fechar o elenco não se limitou a escalação de Michelle Williams. Eddie Redmayne foi o escolhido dentre os 40 candidatos ao papel do jovem aspirante a diretor Colin Clark e para viver Vivien Leigh cogitou-se Catherine Zeta-Jones. Vencedora do Globo de Ouro na categoria Melhor Atriz de Comédia/Musical, não fosse a divisão que essa premiação faz, entre Drama e Comédia, Michelle sairia de mãos abanando, ofuscada pelo destaque de Meryl Streep em A Dama de Ferro, o que seria uma pena.

Nitidamente o filme busca mostrar a mulher frágil por trás do mito, seu perspicaz senso de humor em sua relação com a imprensa, como era hábil ao sair de situações adversas e triunfar, mesmo que para isso fosse preciso “quebrar alguns corações”. Alguns conhecimentos prévios a respeito da biografia de Marilyn dariam ao espectador uma noção mais ampla do que é contado na tela, por exemplo, quando ela cita Jhonny Hide, magnata de Hollywood que abriu muitas portas no começo de sua carreira e com quem teve um polêmico caso amoroso, ou ainda sua estreita relação com Paula e Lee Strasberg, seus mentores, este último, diretor artístistico do Actor’s Studio. De qualquer forma, a falta de uma afinidade maior com a trejetória do mito não impede a apreciação do trabalho realizado por Curtis.

Na obra literária fica mais evidente a importância de Colin no processo de filmagem, bem como sua personalidade forte, sendo possível considerá-lo até mesmo decisivo em muitas situações. No longa, é ressaltado seu lado mais sonhador, um garoto que na maior parte do tempo parece estarrecido com o que estava acontecendo. Alguns personagens como Hedda Rosten, dama de companhia de Marilyn, que viajou junto com Arthur, Paula e Milton Greene, fotógrafo e parceiro da Marilyn Monroe Productions, alguns cenários e situações também foram suprimidos, mas nada que afetasse o coerente recorte feito pelo roteirista Adrian Hodges. Ao final nos resta a mesma sensação de Laurence quando diz que o fascinante em Marilyn era seu instinto e que sua capacidade de cativar e seduzir todos a sua volta estava em sua forma mais pura, natural. Assim como Colin fez, o segredo era não fechar os olhos.

Semana que vem lançaremos um Especial da Marilyn Monroe no Cinemascope,  ao todo serão selecionados 10 filmes de sua carreira. Começaremos com A Malvada, confiram!

Cinemascope - Sete dias com Marilyn - PosterSete dias com Marilyn (My Week With Marilyn)

Ano: 2011

Diretor: Simon Curtis.

Roteiro: Adrian Hodges.

Elenco Principal: Michelle Williams, Kenneth Branagh, Eddie Redmayne, Emma Watson, Dominic Cooper.

Gênero: Drama.

Nacionalidade: EUA.

 

 

 

Veja o trailer:

[youtube]KneAk6yiwaA[/youtube]

Galeria de Fotos:

Por Joyce Pais Baseado nas obras de Colin Clark, My Week With Marilyn e The Prince, The Showgirl and Me, Sete Dias com Marilyn relata um período específico da vida e carreira da atriz Marilyn Monroe – os bastidores das gravações do filme O Príncipe Encantado (The Prince and the Showgirl; 1957). No auge do sucesso e em lua de mel do terceiro casamento, Marilyn e seu marido, o dramaturgo Arthur Miller, desembarcam na Inglaterra e a partir de então, uma série de dramas marcam sua estadia no país, o maior deles, sendo o envolvimento entre a estrela e Colin,…

Avaliação geral

Avaliação geral

4

Sobre Joyce

Fundadora e editora do Cinemascope, jornalista, paulistana, fotógrafa, apaixonada por David Lynch, Pedro Almodóvar, Marilyn Monroe e café.
Comentários
Fernanda disse:

Preciso dizer que aprendi a gostar da Marilyn e já sou fã! rs Mas o que mais me chamou atenção nesse filme foi como um recorte tão pequeno na vida dela conseguiu mostrar tanto com tanta delicadeza e beleza, sai apaixonada pela inconstância e personalidade da diva! Sem contar a Michele que fez mais do que atuar se entregando a personagem… Valeu mto ter assistido