Home / Críticas / Trapaça
Cinemascope - Trapaça destaque

Trapaça

Por Fausto Fernandes

A época é final da década de 1970 e começo da de 1980. Irving Rosenfeld (Christian Bale), um golpista de nascença que gerencia uma rede de lavanderias como fachada para vender obras de arte falsificadas e conseguir empréstimos para pessoas falidas, se junta a uma ex-dançarina ambiciosa (Amy Adams) para prosperar os negócios fraudulentos. Em uma ação equivocada, os dois são obrigados a prestar serviço ao agente da FBI Richie DiMaso (Bradley Cooper). Os três arquitetam e executam um golpe para desmascarar e prender mafiosos e políticos, entre eles, o prefeito ‘camarada” da uma cidade de Nova Jérsei, Carmine Polito (Jeremy Renner). Somado a isso, há Rosalyn Rosenfeld (Jennifer Lawrence), a imprevisível esposa de Irving, que pode colocar todo o plano em risco.

Essa é a história de Trapaça, novo filme de David O. Russell (diretor do excelente O Lado Bom da Vida), que conseguiu (de novo) dar vida a personagens interessantíssimos e com naturalidade ímpar, seja pelo roteiro (inspirado em eventos reais) previamente escrito ou pelas improvisações dos atores durante as gravações. A trama, cheia de reviravoltas, suspense e humor, é inspirado na operação ABSCAM do FBI, que aconteceu no final dos anos 1970.

O diretor usa e abusa da câmera na mão – o que não é um ponto negativo – e esses movimentos auxiliam no embalo da cena, criando proximidade entre o espectador e a obra. A fotografia de Linus Sandgren (Terra Prometida; 2012) é impecável, vivaz e retrô. Nada muito extraordinário, porém visualmente bonito e elegante.

A direção de arte do longa também merece destaque por recriar com tanta riqueza de detalhes um período tão icônico, como foi a década de 1970. Locações, figurino e os cabelos dão mais veracidade ao trabalho. A trilha sonora é uma das mais gostosas e vai de Led Zeppelin a Ella Fitzgerald e The Temptations, uma compilação de música de qualidade. Olhos e ouvidos saem agraciados.

O elenco peso pesado mostra sinergia e empatia. A naturalidade com que lidam com as ações e reações transparece na tela. Poucas vezes parecia algo forçado, mas ao analisar, vejo que as personagens exigiam aquilo. Quatro dos cinco atores principais concorrem ao Oscar, Christian Bale (melhor ator), Amy Adams (melhor atriz) e Jennifer Lawrence (melhor atriz coadjuvante), que conquistaram o Globo de Outro nas respectivas categorias, e Bradley Cooper (melhor ator coadjuvante). Sinceramente, no lugar de Cooper, indicaria Jeremy Renner pelo seu carismático político.

Trapaça merece todo o reconhecimento que está levando. Além das categorias em atuação, o filme também concorre a Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Original, Figurino, Edição e Desenho de Produção. Com 10 indicações, o filme é o maior destaque do Oscar, ao lado de Gravidade.

Cinemascope - Trapaça poster

Trapaça (American Hustle)

Ano: 2013

Diretor: David O. Russell

Roteiro: Eric Singer, David O. Russell

Elenco Principal: Christian Bale, Amy Adams, Bradley Cooper, Jennifer Lawrence, Jeremy Renner

Gênero: Comédia / Crime / Drama

Nacionalidade: EUA

 

 

Veja o trailer:

Galeria de Fotos:

Por Fausto Fernandes A época é final da década de 1970 e começo da de 1980. Irving Rosenfeld (Christian Bale), um golpista de nascença que gerencia uma rede de lavanderias como fachada para vender obras de arte falsificadas e conseguir empréstimos para pessoas falidas, se junta a uma ex-dançarina ambiciosa (Amy Adams) para prosperar os negócios fraudulentos. Em uma ação equivocada, os dois são obrigados a prestar serviço ao agente da FBI Richie DiMaso (Bradley Cooper). Os três arquitetam e executam um golpe para desmascarar e prender mafiosos e políticos, entre eles, o prefeito ‘camarada” da uma cidade de Nova…

Avaliação geral

Avaliação Geral

5

Sobre Fausto

Jornalista e aspirante a cineasta. Fortemente inspirado por Wes Anderson, Woody Allen, Lars Von Trier, Sofia Coppola e outros tantos. Desde que se conhece por gente, gosta de um bom filme e a vontade de atuar na área o fez se mudar para Los Angeles, onde respirou cinema por 2 anos. E claro, não dispensa uma cervejinha.
Comentários