Home / Críticas / Ensaio Sobre a Cegueira
Cinemascope - Ensaio sobre a cegueira

Ensaio Sobre a Cegueira

Por Joyce Pais

Ensaio Sobre a Cegueira é uma adaptação da obra do português José Saramago para as telas do cinema. O filme conta a história de uma inédita e inexplicável epidemia de cegueira atinge uma cidade, a doença surge inicialmente em um homem no trânsito e, pouco a pouco, se espalha pelo país. À medida que os afetados são colocados em quarentena e os serviços oferecidos pelo Estado começam a falhar as pessoas passam a lutar por suas necessidades básicas. A única pessoa que ainda consegue enxergar é a mulher de um médico (Julianne Moore), que juntamente com um grupo de internos tenta encontrar a humanidade perdida.

No cinema, recursos como iluminação, fotografia e a sonoridade são auxílios fundamentais na construção de sentido. No caso de Ensaio Sobre a Cegueira foram usadas três câmeras, a câmera ‘A’ era a principal, a do diretor, utilizada para mostrar o primeiro plano, a ‘B’ tinha função subjetiva e oscilante, exibia o foco incerto e criava composições assimétricas que muitas vezes cortava atores e cenários na metade, a visão proporcionada por ela era fragmentada. Por fim, a câmera ‘C’ buscava planos inesperados e aleatórios, no qual esperava se formar um bom enquadramento com algum personagem/ator.

O diretor transmitiu, por meio da fotografia, sua percepção a respeito do mundo dos cegos, diferentemente da obra literária onde este fator fica a cargo de cada leitor. As sensações também foram trabalhadas por meio da superexposição da película à luz, criando uma claridade excessiva que remete à cegueira branca, além da iluminação precisa e marcada, e do forte trabalho com brilho e foco.

No caso das cenas em que o ambiente do manicômio é explorado, nota-se que a fotografia acompanha a degradação das pessoas, vários takes modificam o estado natural do lugar onde os atingidos pela cegueira foram isolados em quarentena.

Há também uma importante contraposição da cena em que o médico tem relações sexuais com a prostituta, ela é clara e se confunde com imagens embasadas (desfoque), o que pode aludir a um momento de amor, já a do estupro coletivo é escura e tenebrosa.

A cegueira (branca) retratada na obra de José Saramago e no longa-metragem adaptado é construída através de metáforas e significações próprias, que fogem que qualquer entendimento literal. Assim, o sentido que pode ser depreendido do texto é fruto da interpretação dentro de um contexto específico. A degradação da sociedade e do homem, a queda dos valores, o desmoronar da cidade com a civilização e a ética dos indivíduos são alguns dos aspectos abordados de maneira singular, forte e polêmica pelo autor português José Saramago.

Baseado na premissa de que, o que os olhos não vêem é o que realmente somos, a nossa essência. Deparamo-nos com situações que ora afastam, ora aproximam as pessoas, seja por uma questão de solidariedade ou sobrevivência no longa.

O homem vive no mundo caótico que ele mesmo criou, repleto de preconceitos. Quando o ser humano se encontra em uma situação extrema seus aspectos negativos tendem a florescer. A busca pela sobrevivência faz aprimorar os instintos mais primitivos do homem, como na vida selvagem/animal. Até os seus conceitos mais básicos como a “coisificação” da mulher, no que diz respeito somente a fins sexuais, vêem à tona.

A obra apresenta uma clara crítica do próprio autor a sociedade moderna e as autoridades, no que se diz respeito, destes não conseguirem resolver o problema que a cegueira acarretou, além da crítica a religião, mostrando imagens divinas veladas e a perca da fé e da crença do homem contemporâneo.

Dentro desse contexto de cegueira generalizada e a condição lastimável e deprimente ao qual o homem chegou, a única capaz de ver é a mulher do médico, e sua visão lhe proporciona responsabilidade diante dos outros cegos (guiando, procurando comida), mesmo assim, a imundice do manicômio, a busca pela comida, o cão que se alimenta dos cadáveres, a escuridão das escadas na casa da rapariga, os santos na igreja são o bastante para que diante de tal situação, ela tenha o desejo de se cegar também.

Cinemascope - Ensaio sobre a cegueira PôsterEnsaio Sobre a Cegueira (Blindness)

Ano: 2008

Direção: Fernando Meirelles

Roteiro: Don McKellar. (Adaptado da obra de José Saramago)

Elenco principal: Julianne Moore, Mark Ruffalo, Alice Braga, Gael García Bernal, Danny Glover.

Gênero: Drama

Nacionalidade: Brasil , Canadá , Japão.

 

 

 

Veja o trailer:

Galeria de Fotos:

Por Joyce Pais Ensaio Sobre a Cegueira é uma adaptação da obra do português José Saramago para as telas do cinema. O filme conta a história de uma inédita e inexplicável epidemia de cegueira atinge uma cidade, a doença surge inicialmente em um homem no trânsito e, pouco a pouco, se espalha pelo país. À medida que os afetados são colocados em quarentena e os serviços oferecidos pelo Estado começam a falhar as pessoas passam a lutar por suas necessidades básicas. A única pessoa que ainda consegue enxergar é a mulher de um médico (Julianne Moore), que juntamente com um grupo…

Avaliação geral

Avaliação geral

5

Sobre Joyce

Fundadora e editora do Cinemascope, jornalista, paulistana, fotógrafa, apaixonada por David Lynch, Pedro Almodóvar, Marilyn Monroe e café.
Comentários