Home / Notícias / Expressionismo alemão ganha box com clássicos em versão restaurada
Fausto, de Friedrich Wilhelm Murnau, é um dos clássicos que compõem o box
Fausto, de Friedrich Wilhelm Murnau, é um dos clássicos que compõem o box

Expressionismo alemão ganha box com clássicos em versão restaurada

Da Redação

Quem é fã de Expressionismo Alemão ou tem vontade de conhecer mais sobre o movimento, já pode se alegrar! Reunindo alguns dos maiores destaques do movimento, o box que chega em maio às lojas traz versões remasterizadas de obras como Fausto, de Friedrich Wilhelm Murnau, e O Gabinete do Dr. Caligari, de Robert Wiene. Além do box, o Obras Primas do Cinema lança em maio edições remasterizadas de Havaí, estrelado por Julie Andrews e Max Von Sydow e dirigido por James A. Michener, Nó na Garganta, de Patrick McCabe, e muito mais! Confira!

Expressionismo Alemão

O box reúne obras que marcaram o movimento e se tornaram clássicos em versões remasterizadas, além do documentário From Caligari to Hitler, que explora o impacto social e cultural do cinema alemão no período da República de Weimar e mais de duas horas de extras.

Disco 01:

Fausto (Faust: Eine deutsche Volkssage, Faust, 1926)

Baseado na famosa peça de Goethe e dirigido por Friedrich Wilhelm Murnau, temos Fausto, um velho alquimista que vê sua cidade ser assolada pela peste negra. Vendo tanta morte, começa a pensar sobre sua própria finitude. Ele então evoca Mefistofeles, e lhe pede sua juventude de volta e eterna. O demônio a garante, em troca da alma de Fausto. Tudo parecia perfeito, até este se apaixonar por uma jovem italiana.

O Castelo Vogelöd (Schloß Vogelöd, The Haunted Castle, 1921)

Também dirigido por Friedrich Wilhelm Murnau, o longa conta a história de alguns aristocratas esperam a baronesa Safferstätt, devido ao mau tempo no castelo Vogelöd. Um homem aparece sem ser convidado, o Conde Johann Oetsch. O falecido marido da baronesa, o conde Pedro Oetsch, foi assassinado há 3 anos e, é de conhecimento comum que o seu irmão, Johann Oetsch, cometeu o crime. Oetsch é convidado a sair, mas se recusa. Ele quer provar para todos que não assassinou seu irmão.

Disco 02:

A Caixa de Pandora (Die Büchse der Pandora, Pandora’s Box)

Neste longa de Georg Wilhelm Pabst, conhecemos Lulu, uma dançarina que se envolve com um rico dono de jornal, este lhe informa que se casará em breve. Os dois acabam sendo flagrados pela noiva, que rompe o compromisso. Para que sua honra não seja definitivamente jogada na lama, o homem resolve se casar com a dançarina. Após uma cena de ciúme, o marido tenta matá-la, mas Lulu escapa e o mata em legítima defesa. Acusada de assassinato, foge com o filho da vítima, e acaba também por envolvê-lo num jogo de sedução, fugas e exploração sexual.

A Morte Cansada (Der müde Tod, Destiny, 1921, 98 min.)

Assinado por Fritz Lang, o longa se passa num vilarejo europeu do século XIX, a Morte leva um jovem quando ele estava prestes a se casar. Sua noiva suplica que devolva a vida dele. A Morte dá uma chance à moça, prometendo trazê-lo de volta se ela conseguir evitar que três pessoas morram.

Disco 03:

O Gabinete do Dr. Caligari (Das Cabinet des Dr. Caligari, The Cabinet of Dr. Caligari, 1920)

Direção: Robert Wiene. Elenco Principal: Werner Krauss, Conrad Veidt, Friedrich Feher.

Esse longa de Robert Wiene conta a história de um pequeno vilarejo da fronteira holandesa onde um misterioso hipnotizador, Dr. Caligari, chega acompanhado do sonâmbulo Cesare que, supostamente, estaria adormecido por mais de 20 anos. À noite, Cesare perambula pela cidade, concretizando as previsões funestas do seu mestre, o Dr. Caligari.

Ponette (1996)

Ponette

Ponette – À Espera de um Anjo, drama escrito, dirigido pelo cineasta francês Jacques Doillon, é  um dos filmes mais sensíveis da década de 1990 por revelar, com extrema profundidade, os reflexos da morte na vida de uma criança de pouca idade. Victoire Thivisol que interpreta Ponette no filme, com apenas 5 anos de idade venceu o prêmio de melhor atriz no Festival de Veneza.

Ponette (Thivisol), uma menina de 4 anos, é confrontada com a morte da mãe, mas não consegue aceitá-la e acredita que ela irá voltar para junto de si. Durante as suas tentativas para falar com a falecida, Ponette questiona adultos e outras crianças, recebendo conselhos sobre religião, filosofia, magia negra e como falar com Deus.

– Extras: Entrevista com Jacques Doillon; 8 anos depois: Victoire Thivisol “Ponette”; Entrevista com Caroline Eliacheff; Entrevista com a diretora de fotografia Caroline Champetier; Diálogos com Jean-Claude Laureux e Jean-Pierre Durett.

Havaí (1966)

Havaí

Épico filme de 1966 estrelado por Max von Sydow, Julie Andrews e Richard Harris e dirigido por George Roy Hill (Golpe de Mestre), é baseado no romance homônimo de James A. Michener. O filme teve 7 indicações ao Oscar e venceu o Globo de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante Jocelyne LaGarde.

Em 1820, o missionário inglês Abner Hale (Max von Sydow) e sua esposa Jerusha Bromley (Julie Andrews) tentam catequizar os nativos de uma exótica ilha do Havaí. Porém, o choque cultural é tão grande, que o desentendimento entre os dois povos resulta em uma tragédia.

-Extras: Making of filme; Trailer Original

Nó na Garganta (1977)

Nó na Garganta

Drama trágico e cômico de 1997 dirigido por Neil Jordan e adaptado do romance de mesmo nome escrito por Patrick McCabe em 1992, o filme ganhou o Urso de Prata de Melhor Diretor no 48º Festival Internacional de Berlim em 1998 e Menção Especial para a “atuação impressionante” de Owens.

A vida numa pequena comunidade rural irlandesa, nos anos 60, vista pelos olhos de Francie (Eammon Owens), menino de 12 anos. Em meio às brincadeiras com o amigo Joe (Alan Boyle) e a conturbada vida familiar junto a seu pai alcoólatra e a mãe, que lentamente perde a razão, o garoto busca a redenção em fantasias espirituais.

Extras: Trailer Original; Cenas Deletadas

 

Sobre Sttela

Sttela, 22 anos e jornalista. Comecei a gostar de cinema ainda criança, quando ia com o meu avô nas sessões à tarde. Fã de romances com velhinhos, filmes sobre gastronomia e Charles Chaplin.
Comentários