Author: cleiton-lopes

Sobre

Cleiton Lopes

Formado em Cinema e Audiovisual, segue a vida escrevendo críticas de cinema, colecionando discos de vinil e, vez ou outra, algumas crônicas. Sonha conhecer David Fincher pessoalmente e completar sua coleção de Belchior

Toda Forma de Amor

Quando assisti a Toda forma de amor pela primeira vez, as razões por eu escolhe-lo para o filme do final de semana eram basicamente por ele ter levado algumas indicações ao Oscar (Christopher Plummer venceu ator coadjuvante por esse filme) e por ter o Obi-Wan Kenobi de Star Wars, ou melhor, o ator Ewan McGregor, no elenco. Ao final, ele me afetou de uma forma totalmente diferente, mais potente do que eu imaginava, e se aninhou no canto mais quentinho do meu coração (sim, sou meio sentimental). Além disso, considero esse como o último filme que assisti antes de...

Ler Mais

[Trailer da Semana]: Toy Story 4

Toy Story é uma das animações que guardo no meu coração. Foi ela quem me apresentou –  e acredito que à maioria das pessoas – as novas possibilidades da animação. A Pixar, produtora da franquia, se tornou referência no gênero fazendo com que a Disney a comprasse e agregasse ao seu império. Em 2010 fiquei quase desidratado de tanto chorar quando assisti à Toy Story 3 no cinema, em meio a uma plateia formada quase que majoritariamente por crianças e suas mães. Impossível não derramar lágrimas nesse filme. A cena da fornalha, em que os bonecos quase chegam ao...

Ler Mais

Bohemian Rhapsody

Em entrevista recente à revista Rolling Stone, o líder da banda U2, Bono Vox, deu a seguinte declaração: “[…] Quando eu tinha 16 anos, sentia muita raiva. Você precisa encontrar um lugar para isso e para guitarras, seja com uma bateria eletrônica ou não – tanto faz. Assim que algo se torna preservado, acabou. Você pode até preservar em formol. No fim, o que é o rock? A raiva está no coração dele. O ótimo rock tende a ter isso, e é por isso que o The Who foi uma banda tão boa. Ou o Pearl Jam. O Eddie...

Ler Mais

Halloween

Eu cheguei bem recentemente ao universo do terror. Depois de um certo “trauma de infância” com Brinquedo Assassino, o universo dos monstros nunca me pareceu muito convidativo, com raras exceções. Na verdade, eu morria de medo de uma cena do Brinquedo Assassino 2 (1990), na qual o boneco aparece todo derretido e persegue o garoto. O que me deixou desmotivado a assistir outros filmes do gênero por muitos anos. Como todo bom iniciante em qualquer arte, recorri primeiramente aos clássicos para me inteirar. Assisti Sexta Feira 13 (1980), A Hora do Pesadelo (1984), Poltergeist: O Fenômeno (1982), Brinquedo Assassino...

Ler Mais

O Universo Multifacetado do Arctic Monkeys em Four Out Of Five

A primeira vez que ouvi Arctic Monkeys, eu tinha pouco mais de 16 anos. Estava no ensino médio, morava no interior e sonhava em ser um VJ da MTV. Quando vi, nessa mesma emissora, quatro jovens, ainda de espinhas na cara (literalmente) e com roupas muito parecidas com as que eu usava, tocar uma guitarra rápida em “I Bet You Look Good On The Dance Floor“, minha mente explodiu. Numa época pré-internet banda larga, meu acesso à discos era limitado e eu passava bastante tempo assistindo MTV para rever esse clipe ou saber novidades da banda. Meu programa favorito para descobrir...

Ler Mais