Author: thais-lourenco

Sobre

Thaís Lourenço

Historiadora e capricorniana. Ama filme francês, os efeitos de Méliès, o pioneirismo feminino, as cores de Almodóvar, as viagens de Miyazaki e a imaginação surrealista.

Cinemateca de São Paulo comemora 90 anos de Audrey Hepburn com retrospectiva

Algumas cenas do cinema são tão icônicas que se eternizam e ultrapassam os limites da tela, mas poucas pessoas foram capazes do feito de Audrey Hepburn. Fenômeno e ícone não só do cinema, mas da moda, Audrey viveu papéis inesquecíveis no cinema, tanto que a famosa Tiffany & Co, pano de fundo do famoso Bonequinha de Luxo (Breakfast at Tiffany’s) inaugurou em 2017 o próprio café em homenagem ao filme. Este filme transformou, além de viver e eternizar a prostituta Holly Golightly, rendeu à Audrey a amizade com o estilista Hubert de Givenchy, transformando-a em ícone fashion da época....

Ler Mais

Bao

Bao é um pãozinho de origem chinesa, de fermentação lenta, gosto adocicado, cozido em vapor e extremamente delicado, mas também é o nome escolhido para o novo curta da Pixar. Desta vez, o estúdio entra na corrida pelo Oscar contando a jornada e conflitos de uma mãe com o seu “Bao”. Recheado de metáforas – e isso não foi um trocadilho intencional – o curta desenha com delicadeza a relação familiar entre esses personagens, começando pelo momento em que a mãe modela e cozinha os pãezinhos, e aí tudo o que remete ao termo do pãozinho no forno para...

Ler Mais

CINUSP abre o ano com a mostra “Cinema e Misantropia”

O ser humano é complexo e sociável por natureza. Rousseau difundiu a teoria de que o homem nasce bom e a sociedade o corrompe, ou seja, caso vivêssemos isolados do convívio social, seríamos mais semelhantes aos animais selvagens, sem a consciência do que é bom ou mau e respeitando apenas as leis naturais de sobrevivência. Já que caímos nesta sociedade corrompida desde o momento em que abrimos os olhos, nos deparamos com a gama de sentimentos, atitudes e escolhas não de sobrevivência, mas de vivência em sociedade.   De origem grega, a misantropia – misos (ódio, aversão) e anthropos...

Ler Mais

Canal Brasil exibe Mostra Nicole Puzzi

Rainha da pornochanchada, Nicole Puzzi é tema de Mostra no Canal Brasil. O canal celebra os mais de 40 anos de carreira da atriz apresentando, a partir de 27/11, às 0h15, uma seleção de títulos clássicos estrelados pela atriz. Entre eles, longas como Filhos e Amantes (1982), Belinda dos Orixás na Praia dos Desejos (1979), O Convite ao Prazer (1980) e Eu (1987). Como filme de abertura, será exibido Ariella (1980), filme em que Nicole contracena com John Herbert, Herson Capri, Christiane Torloni e Laura Cardoso. Nicole nasceu no interior do Paraná, saiu de casa aos 17 anos e começou sua carreira no cinema em 1976...

Ler Mais

Cinemateca recebe 5ª Mostra Mosfilm de Cinema Soviético e Russo

O cinema russo trouxe para a história e técnica do cinema obras primas que até hoje são citadas e enaltecidas. A União Soviética nos legou Sergei Eisenstein e seu O Encouraçado Potemkin com a inesquecível cena da escadaria de Odessa; nos legou Lev Kuleshov, cineasta realizou uma série de experimentos nos quais fazia uma justaposição de planos, obtendo assim uma nova significação, criando o chamado Efeito Kuleshov e mudando para sempre a história do cinema e da edição. É impossível estudar – ou mesmo apreciar – cinema sem esbarrar na importância russa em sua construção enquanto obra de arte...

Ler Mais