Autor: Thaís Lourenço

Sobre

Thaís Lourenço

Historiadora e capricorniana. Ama filme francês, os efeitos de Méliès, o pioneirismo feminino, as cores de Almodóvar, as viagens de Miyazaki e a imaginação surrealista.

Itaú Cultural lança plataforma de streaming gratuita voltada ao cinema nacional

O Itaú Cultural lança nesse dia 19 de junho, dia do cinema nacional, sua própria plataforma gratuita de streaming: Itaú Cultural Play. A estreia já acontece com 135 produções, dentre elas: filmes, séries, programas de TV, festivais, mostras temáticas e/ou competitivas, além de recortes de curadores convidados e instituições parceiras, contemplando variedade estética e temática. A estreia vem com mostra histórica dedicada a Glauber Rocha e homenagem ao produtor Luiz Carlos Barreto. O cinema contemporâneo também terá espaço, com filmes reconhecidos pela crítica e premiados em festivais, obras de cinema independente, filmes universitários e mostras temáticas, com parceiros institucionais...

Ler Mais

Nomadland

Será que a saudade nos move, ou nos paralisa? Será que o American Way of Life é a democratização do consumo, ou a falência do capitalismo? Após a crise econômica dos EUA em 2008, o nomadismo se tornou uma alternativa para pessoas que tiveram as suas vidas viradas de cabeça para baixo. Vivendo em vans ou casas motorizadas e se movimentando constantemente em busca de trabalhos temporários, encontraram uma alternativa ao sistema capitalista em crise.  Esta tribo itinerante recebeu em 2017 um livro sobre sua vivência: “Nomadland: Surviving America in the 21st Century”, escrito por Jessica Bruder, agora virou...

Ler Mais

Festival É Tudo Verdade dá a volta ao mundo online em sua 26ª edição

A segunda década do século XXI já começou nos obrigando a abrir mão do convívio social e a repensar todas as nossas prioridades. Mais do que isso, a lidar com a saudade de rituais insubstituíveis, como ir ao cinema assistir. Não fomos só nós enquanto indivíduos que tivemos que nos adaptar, a indústria cultural, a que mais sofreu com as medidas de contenção da pandemia do coronavírus precisou também reinventar formas de continuar existindo e suprindo a nossa necessidade de contato com a arte. Em sua 26ª edição, o Festival É Tudo Verdade acontece de forma online pela segunda...

Ler Mais

As gênesis invisíveis ou por que deveríamos desconfiar da História que nos contam

Pense por um segundo: qual foi o primeiro filme dirigido por uma mulher que você assistiu? E quando você pensa em “Primeiro Cinema”, em quem você pensa? Se a sua resposta, principalmente para esta última pergunta, foi um homem (insira aqui os clássicos Irmãos Lumiére, Georges Méliès, D.W. Grifith, apenas para citar alguns), está na hora de rever seu conhecimento sobre cinema. Eu nunca vou esquecer da primeira vez que vi A Fada dos Repolhos (1896), o primeiro filme de não-ficção do mundo, escrito, produzido e dirigido por Alice Guy-Blaché, ou A Concha e o Clérigo, de Germaine Dulac....

Ler Mais