Autor: Domitila González

Sobre

Domitila González

Domitila Gonzalez é atriz e professora de teatro. Sonserina. Cacheada. Divide seu tempo entre miscelâneas da infância e clássicos do cinema mundial. Jura que é pdh em listrinhas fellinianas. Ama direção de arte e trilha sonora. Acha o Oscar uma besteira, mas todo ano maratona os filmes como se não houvesse amanhã. - Não me leve a sério: eu uso meia de bolinhas.

A Caminho da Lua

Uma das apostas recentes da Netflix para o público infantil é A Caminho da Lua, animação que tem no comando o diretor Glen Keane, conhecido por ser um dos pioneiros na animação 3D na Disney, responsável por desenhos como A Bela e a Fera (1991), Pocahontas (1995), Tarzan (1999) e Enrolados(2010). O desenho conta a história de Fei Fei, uma garota chinesa que é filha de pais muito amorosos mas que ainda criança perde a mãe. Quatro anos depois, seu pai está prestes a se casar de novo e ela revive o momento de luto, ainda buscando meios de...

Ler Mais

Soul

Eu gostaria de começar este texto dando uma sinopse da animação Soul, da Disney-Pixar, recém-lançada no serviço de streaming Disney +. Poderia dizer que é um filme sobre música. Ou sobre a vida e a morte de Joe, um professor de música do ensino regular numa escola de Nova Iorque. Poderia dizer que é o primeiro filme da Pixar com um protagonista preto. Nenhuma dessas afirmações, embora verdadeiras, seria o bastante para descrever o que acontece nos minutos em que paramos para ver este desenho. Eu poderia falar sobre aspectos técnicos ou relacionados à trilha sonora, mas quero falar...

Ler Mais

Minority Report – A Nova Lei

É engraçado como a nossa percepção sobre a realidade – e sobre como ela é retratada pelos meios, pelos movimentos artísticos – se modifica com o tempo. Minority Report é um filme de Ação e Mistério, do ano de 2002. Naquela época, a gente ainda usava o Nokia da cobrinha e o auge da inovação era andar por aí de Nike Shox. Achei curioso rever a história e não estranhar tanto as inovações tecnológicas. Afinal, estamos vivendo um momento em que não é tão esquisito topar com um reconhecimento de identidade por leitura de íris, comandos de voz dentro...

Ler Mais

As Bruxas no Cinema

São tempos sombrios para a cultura. A ignorância vem tentando tomar mais espaço do que lhe cabe, diante de tudo e todos. O ano é 2019 e apesar de tentarmos com todas as forças, as tochas continuam acesas. A diferença é que agora as bruxas não estão sozinhas. Por isso, o Cinemascope destaca 5 bruxas do cinema brasileiro que são exemplos de resistência, astúcia e sensibilidade, de trabalho sério e importância inquestionável não só para o audiovisual mas para a história da arte e das mulheres no Brasil. Fernanda Montenegro     Com mais de 70 anos de carreira e...

Ler Mais

Dançando no Escuro

Toda vez que penso num filme do Lars, penso que vou ter que parar pra dedicar algumas horas do meu dia pra ver mais uma vez como o diretor dinamarquês rasga a vida na tela do cinema. Viver é rasgar espaços. E a impressão que eu tenho é que Von Trier é especialista em abrir e sangrar feridas. Mas diferentemente do poeta, ele não se preocupa em remendar coisa alguma. Dançando no Escuro (Dancer in the Dark) é o primeiro musical da carreira de Lars Von Trier, que assina roteiro e direção. Estreou nos anos 2000 e entre os vários...

Ler Mais