Autor: Domitila Gonzalez

Sobre

Domitila Gonzalez

Domitila Gonzalez é atriz e professora de teatro. Sonserina. Cacheada. Divide seu tempo entre miscelâneas da infância e clássicos do cinema mundial. Jura que é pdh em listrinhas fellinianas. Ama direção de arte e trilha sonora. Acha o Oscar uma besteira, mas todo ano maratona os filmes como se não houvesse amanhã. - Não me leve a sério: eu uso meia de bolinhas.

A Tragédia de Macbeth

Uma vez, numa das mil e uma conversas sobre Shakespeare que se espera que ocorram durante os estudos em Artes Cênicas, ouvi que os textos do bardo eram atemporais e seguiriam sendo assim porque ele escreve sobre materiais demasiadamente humanos. Shakespeare fala sobre amor e ódio, disputa política, honra, luto, tristeza, guerra, vingança, ciúmes, avareza, esperança, sonhos, mesquinharia, amizade, família, respeito, loucura, e aqui eu poderia continuar a escrever e encontrar temas que são tão próximos de nós que é até um pouco assustador. Mesmo antes de tentar fazer caber na boca o texto do bardo enquanto atriz, pude...

Ler Mais

Luca

Sempre quando sai alguma animação nova, eu corro para ver. Se estamos falando de Disney ou Pixar, parece que sempre espero algo surpreendente. Com Luca não foi diferente. Fui com bastante sede ao pote, esperando fogos de artifício e grandes acontecimentos. Porém, não foi isso que aconteceu. A história dos amigos Luca e Alberto – dois meninos-monstros que passam um verão divertido entre Vespas e corridas de bicicleta – veio para mostrar ao espectador que nem sempre são precisas cenas apoteóticas para que um filme cumpra seu papel. Quantos desafios e surpresas podem existir na vida de uma criança...

Ler Mais

De Volta à Itália

Eu gosto dos festivais porque entramos em contato com produções que normalmente não entram pro grande circuito comercial – onde estão os blockbusters ou então aqueles grandes invencionismos dos gênios do cinema. De Volta à Itália (Made in Italy) surge num contexto de festival e eu realmente achei que pudesse me surpreender. Poderia ser um filme bucólico, daqueles perfeitos pra se assistir num dia de folga, num domingo depois do almoço, mas quase que não entrega nem um clichê digno de sessão da tarde. Com direção e roteiro de James D’Arcy, conhecido por interpretar o papel de Jarvis na...

Ler Mais

A Boa Esposa

“Bela, recatada e do lar”. Se voltarmos no tempo, não é necessário ir muito longe para que possamos encontrar uma frase que poderia resumir tanto os primeiros minutos deste filme quanto um dos motivos pelos quais ele ainda precisa entrar em cartaz, no ano de 2021. A ideia de uma escola para se formar boas esposas soa um tanto quanto patética – pelo menos a meu ver. E só por uma afirmação dessas, conheço algumas tias e avós que poderiam se puxar os cabelos de desespero e dizer que eu me perdi no feminismo. Fazer o quê?  Parece que...

Ler Mais

Mulan

Que ideia maluca é essa que o pessoal costuma ter, né, de já sentar na cadeira estofada pronta pra meter o pau no filme que vai ver. Eu não sou assim. Sempre que eu vou ao cinema, eu vou pra gostar. Aliás, sempre que eu escolho ver uma obra de arte, seja ela qual for, eu vou porque algo me despertou o interesse. Mas no caso dos live actions, eu não sei explicar o porquê, mas sinto que de saída já tenho os dois pés atrás. Não sei se é trauma de quando fui ver Mogli e achei estranho...

Ler Mais